Tecnologia

Estudo sugere que portadores do gene APOE4 têm risco certo de ter Alzheimer

Pesquisa aponta nova classificação genética para a doença e pode trazer formas alternativas de tratamento

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 6 de maio de 2024 às 16h47.

Última atualização em 6 de maio de 2024 às 17h20.

Pessoas que possuem duas cópias do gene APOE4 têm risco quase garantido de desenvolver Alzheimer e tendem a manifestar sintomas mais cedo, de acordo com um estudo divulgado nesta segunda-feira, 6, que pode redefinir esses portadores como tendo uma forma genética da doença.

A reclassificação poderia alterar a pesquisa, o diagnóstico e os tratamentos relacionados ao Alzheimer, segundo os pesquisadores, cujo estudo foi publicado na renomada revista científica Nature Medicine.

O coautor do estudo, Sterling Johnson, do Centro de Pesquisa de Alzheimer da Universidade de Wisconsin, disse à Reuters que os dados indicam uma forma genética da doença, não apenas um fator de risco.

O estudo teve acesso a mais de 3 mil cérebros doados ao Centro Nacional de Coordenação de Alzheimer dos Estados Unidos, bem como dados biológicos e clínicos de mais de 10 mil pessoas de três países.

Com a análise, se obteve o dado indicando que, aos 65 anos, pelo menos 95% das pessoas com duas cópias do gene apresentavam níveis anormais de uma proteína associada ao Alzheimer em seu fluido espinhal, e 75% tinham exames cerebrais positivos para amiloide, as fibras celulares que causam dano ao cérebro.

As descobertas podem impactar tratamentos aprovados recentemente, como o Leqembi, da Eisai e da Biogen, que remove amiloide do cérebro. Pacientes com duas cópias do gene apresentam taxas mais altas de sangramento cerebral e inchaço associados ao tratamento. Por isso, alguns centros evitam tratar esses pacientes.

A pesquisa ressalta a necessidade de incluir portadores de duas cópias do gene em testes para prevenir a doença antes que os sintomas se desenvolvam.

Mas o estudo não excluí a existência de outras formas genéticas de Alzheimer, como o autossômico dominante, causado por mutações em três genes diferentes, e o decorrente da síndrome de Down.

Uma limitação do estudo é que a maioria dos participantes era de ascendência europeia. Logo, mais pesquisas são necessárias em pessoas de ascendência africana, nas quais o gene parece apresentar menor risco de Alzheimer.

Acompanhe tudo sobre:Mal de AlzheimerDoençasPesquisas científicas

Mais de Tecnologia

Agora todos poderão ver o que você comenta em um story do Instagram; saiba como

Boeing Starliner tem retorno à Terra adiado pela segunda vez

Internet em qualquer lugar? Starlink, de Elon Musk, lança antena do tamanho de um laptop

Você sabe o que é telemática? Tecnologia reduziu em 40% as taxas de colisões em estradas, diz estudo

Mais na Exame