Acompanhe:

O grupo sueco de telecomunicações Ericsson pagará uma multa de US$ 206 milhões (em torno de R$ 1,07 bilhão) à Justiça dos Estados Unidos para encerrar um processo pelo escândalo de supostos pagamentos ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) no Iraque.

"A Ericsson pagará multa de 206.728.848 dólares", anunciou o grupo em um comunicado.

O pagamento concluirá o acordo anunciado em dezembro de 2019 com a Justiça americana. Em um primeiro momento, o grupo sueco concordou em pagar uma multa de US$ 1 bilhão (em torno de R$ 5,2 bilhões) por corrupção em outros cinco países (Djibuti, China, Vietnã, Indonésia e Kuwait).

A multa anunciada agora é motivada pelo fato de a Ericsson não ter fornecido à Justiça americana, cuja competência universal em diversas áreas permite-lhe atuar contra grupos estrangeiros, as conclusões de uma investigação interna relacionada com supostos subornos.

A investigação cita pagamentos suspeitos feitos entre 2011 e 2019 para facilitar o transporte por rodovias em áreas controladas pelo EI. O dinheiro teria chegado ao grupo extremista, na época em que controlava parte do território iraquiano.

O dinheiro teria ido parar no bolso do grupo extremista, na época em que controlava parte do território iraquiano.

“Em inúmeras ocasiões, a Ericsson não cooperou plenamente e omitiu a divulgação de provas e alegações de más práticas, em violação do acordo de 2019”, argumentou a Justiça americana, em um comunicado.

“As empresas devem saber que examinaremos de perto o respeito de todos os termos dos acordos de resolução de empresas e que haverá graves consequências para aquelas que não cumprirem seus compromissos”, acrescentou a Justiça americana.

"Lembrança brutal"

A Ericsson já aprovisionou US$ 220 milhões (em torno de R$ 1,14 bilhão) no mês passado, antecipando-se a essa multa.

"Esta resolução é uma lembrança brutal da má conduta histórica que levou ao acordo. Aprendemos com isso e estamos em uma jornada importante para transformar nossa cultura", afirmou o CEO da Ericsson, Borje Ekholm, em um comunicado divulgado na quinta-feira (2) à noite.

A empresa sueca reconheceu um "comportamento inaceitável" e afirmou que se esforça ao máximo para evitar a corrupção.

Na terça-feira (28), o grupo sueco anunciou a saída de sua diretora de Ética e Conformidade Legal, Laurie Waddy, sem se referir ao caso iraquiano. E o próprio Ekholm admitiu, anteriormente, que alguns de seus funcionários podem ter pagado subornos.

Em paralelo ao acordo com a Justiça nos Estados Unidos, o caso iraquiano está sendo investigado na Suécia, em um momento delicado para a Ericsson em nível empresarial. O grupo, que empregava 105 mil pessoas em todo o mundo em 2022, anunciou na semana passada o corte de 8.500 postos de trabalho.

A Ericsson anunciou resultados anuais decepcionantes em 2022, em um contexto de desaceleração da economia mundial e de inflação.

No plano internacional, o grupo sueco trava uma dura batalha com a empresa chinesa Huawei e com a finlandesa Nokia para construir as redes 5G. O setor é um dos poucos do mundo tecnológico que não conta com um peso pesado americano. A Lucent foi comprada pela Alcatel, e esta foi, por sua vez, absorvida pela Nokia no final de 2016.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Famosa gangue de crimes cibernéticos é desmantelada pelo FBI
Tecnologia

Famosa gangue de crimes cibernéticos é desmantelada pelo FBI

Há 12 horas

Primeiro ser humano com implante da Neuralink consegue mover mouse com a força do pensamento
Tecnologia

Primeiro ser humano com implante da Neuralink consegue mover mouse com a força do pensamento

Há 13 horas

União Europeia investiga se TikTok descumpriu lei que protege menores nas redes
Tecnologia

União Europeia investiga se TikTok descumpriu lei que protege menores nas redes

Há 14 horas

Sony deve lançar versão Pro do PlayStation 5 neste ano
Tecnologia

Sony deve lançar versão Pro do PlayStation 5 neste ano

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais