Denunciante do Facebook, Frances Haugen, vai ao Parlamento Europeu

O testemunho da ex-funcionária do Meta nesta segunda-feira, 8, deve reforçar o ritmo de um projeto de lei para regulação digital na União Europeia
 (Captura de tela/Exame)
(Captura de tela/Exame)
A
André LopesPublicado em 08/11/2021 às 05:46.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

Ainda que o projeto do Meta para o futuro seja a criação de um mundo virtual, o Metaverso, no presente, os problemas da empresa ainda estão nesta realidade.

A antiga funcionária do Meta Frances Haugen, que denunciou a companhia de Mark Zuckerberg por colocar seus interesses econômicos à frente da segurança dos usuários, e mesmo da saúde de democracias inteiras, apresentará as suas revelações ao Parlamento Europeu (PE) na segunda-feira, 8.

A fala de Haugen coincide com a negociação de duas leis em Bruxelas que visam limitar o poder de mercado de grandes empresas tecnológicas e exigir que estas tenham mais controle sobre os conteúdos ilegais que aparecem nas suas plataformas.

Com o novo pacote de regras, o bloco obrigará as plataformas de mídia digital a fornecerem informações às autoridades sobre a forma como funcionam os algoritmos que regulam os conteúdos que cada usuário vê, e estas terão de se submeter a auditorias independentes que analisarão, por exemplo, a forma como removem informações ilegais.

Espera-se que os países da UE adotem o regramento em 25 de novembro, o qual, em última análise, permite também que a Comissão Europeia quebre a operação das empresas se estas quebrarem as regras antitruste.

Os parlamentares ainda estão negociando sobre questões mais delicadas do ponto de vista de funcionamento das empresas, como a proibição de publicidade personalizada — o principal negócio do Facebook — ou os critérios para determinar a que tipo especifico de empresas se aplicarão as leis.

Até lá, o Meta ainda tem muita coisa pra viver neste mundo.