Tecnologia

China impõe controle aos novos aplicativos do grupo Tencent

O novo cerco é mais uma investida do governo chinês contra conglomerados iguais a Tencent e Alibaba, que foram alvos de sanções por infrações relativas à livre concorrência ou o uso de dados pessoais

Um homem passa por uma placa da Tencent do lado de fora da sede da empresa, em Pequim (GREG BAKER/Getty Images)

Um homem passa por uma placa da Tencent do lado de fora da sede da empresa, em Pequim (GREG BAKER/Getty Images)

As autoridades chinesas exigirão a partir de agora que os novos aplicativos do grupo de jogos e mensagens Tencent sejam aprovados oficialmente antes de chegar ao mercado, informou a imprensa estatal.

A informação foi divulgada no momento em que o governo chinês atua para aumentar o controle sobre a importante indústria digital, alegando que suas empresas se tornaram muito grandes e poderosas.

Grupos como Tencent ou Alibaba foram alvos de sanções das autoridades por infrações relativas à livre concorrência ou o uso de dados pessoais.

De acordo com o canal público CCTV, a Tencent recebeu nove sanções desde o início do ano. Em consequência, o governo adotou "medidas administrativas" contra o grupo, como a obrigatoriedade de submeter à fiscalização qualquer novo aplicativo ou versão atualizada que disponibilize ao mercado.

"Depois de passar pela inspeção, podem ser lançadas para os clientes", afirmou o ministério da Indústria e Tecnologias da Informação, de acordo com o CCTV.

A Tencent afirmou à AFP que aceitará as exigências.

O grupo é proprietário, entre outros, do popular aplicativo WeChat, que inclui mensagens, pagamento on-line e rede social.

  • Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME
Acompanhe tudo sobre:AntitrusteChinaTencent

Mais de Tecnologia

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Mais na Exame