Netflix já tem mais assinantes no Brasil do que a TV a cabo, diz estudo

Pela primeira vez, streaming ultrapassou o setor de TV a cabo, que sofre com a crise econômica e com a competição a custos reduzidos
Netflix: serviço passou o número de assinantes de TV a cabo pela primeira vez, diz análise (Leandro Fonseca/Exame)
Netflix: serviço passou o número de assinantes de TV a cabo pela primeira vez, diz análise (Leandro Fonseca/Exame)
T
Thiago Lavado

Publicado em 28/08/2020 às 16:29.

Última atualização em 28/08/2020 às 17:43.

O número de assinantes do serviço de streaming Netflix ultrapassou o de TV a cabo, segundo analistas da Bernstein, uma empresa de pesquisas de Wall Street.

Segundo a consultoria, no final de junho havia cerca de 17 milhões de assinaturas da Netflix no país, o que torna o Brasil o segundo maior mercado da empresa fora dos Estados Unidos, onde a empresa anunciou ter 60 milhões de assinantes em outubro de 2019. Também em junho, a Netflix teria ultrapassado o número de assinantes de TV a cabo — um novo marco para o segmento, que vem perdendo assinantes em meio à crise econômica e desemprego.

Segundo a Bernstein, um dos motivos para a companhia estar conquistando tantos assinantes no Brasil é que "provê um produto superior por um quarto do preço da TV paga". Os analistas afirmam que há interesse por pagar pelo serviço de streaming no país: apesar de a Netflix ter aumentado o valor do plano básico 5 vezes desde 2011, o crescimento no mercado brasileiro aconteceu apesar disso.

A análise também apontou que a competição não desacelerou a empresa, que viu GloboPlay e Amazon Prime Video entrarem no mercado com preços menores, o que sugere, inclusive, que a precificação da Netflix é referência no país. A entrada de novos competidores, como Disney+, demonstra que ainda há espaço para crescer.

Outro ponto abordado pela Bernstein é o padrão de consumo de conteúdo no Brasil: seis dos dez títulos mais vistos semanalmente entre março e agosto são de língua inglesa, seguidos por espanhol — provavelmente com séries como A Casa de Papel e o filme O Poço —, e depois português, o que sugere que há espaço para explorar mais títulos em língua nacional.