Tecnologia

Bradesco permite consulta de saldo via WhatsApp

Clientes podem checar dados financeiros por meio do aplicativo; veja como fazer

 (Bradesco/Divulgação)

(Bradesco/Divulgação)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 19 de setembro de 2018 às 12h45.

Última atualização em 19 de setembro de 2018 às 12h48.

São Paulo – O Bradesco anunciou que seus clientes poderão consultar saldo, extrato, localização de agências e índices financeiros via WhatsApp. A novidade será disponibilizada aos usuários gradativamente para 7 milhões de pessoas. O recurso foi criado usando a BIA (Bradesco Inteligência Artificial), que tem como base o IBM Watson, a solução de computação cognitiva da gigante da tecnologia.

Os clientes interessados em consultar suas contas pelo WhatsApp podem fazê-lo se cadastrando no serviço de mensagens InfoCelular ou SMS (por agência, celular ou internet). Também é preciso ter o aplicativo do Bradesco instalado no smartphone. Feito isso, um SMS será enviado para que comece a interação com a BIA no WhatsApp. Fora isso, é necessário, ainda, gravar o número (11) 3335-0237 na agenda de contatos do seu aparelho.

A interação se dá por meio de hashtags. As opções disponíveis são #saldo, #ultimoslancamentos e #limites.

A novidade também é válida para os clientes do banco digital Next, que pertence ao Bradesco.

O banco usa o WhatsApp com inteligência artificial, desde abril deste ano, para esclarecer dúvidas de clientes e o aplicativo começará a ser usado em mais formas de atendimento nos próximos meses.

Além do Bradesco, o Banco do Brasil também testa uma solução semelhante consulta de dados financeiros por WhatsApp, aplicativo que tem mais de 100 milhões de usuários no Brasil.

Acompanhe tudo sobre:AppsBancosBradescoWhatsApp

Mais de Tecnologia

Segurança em xeque: Microsoft prioriza lucro e deixa governo dos EUA vulnerável

NIO lança estação que realiza troca de bateria em apenas 3 minutos

Aeroportos registram queda no extravio de bagagens após implementação de novas tecnologias

Volta do presencial prejudica profissionais de tecnologia do Norte e Nordeste

Mais na Exame