• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

A nova cara do Twitter: Super Follow e salas de conversa por áudio ao estilo Clubhouse

Rede está prestes a implementar função para cobrar por acesso a tweets exclusivos e já testa salas de bate-papo que imitam o Clubhouse
Twitter: rede social apresenta mudanças e deve mudar forma como usuários interagem com conteúdo (Getty Images/Leon Neal)
Twitter: rede social apresenta mudanças e deve mudar forma como usuários interagem com conteúdo (Getty Images/Leon Neal)
Por Thiago LavadoPublicado em 27/02/2021 08:00 | Última atualização em 26/02/2021 23:11Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O Twitter está prestes a passar por uma transformação grande em termos de entrega e divulgação de conteúdo. Inicialmente concebida como um microblog, uma rede social com pílulas sobre a vida cotidiana, da política ao futebol, passando pelo BBB, ela deve se tornar mais próxima de uma rede de entrega de conteúdo exclusivo, para audiências selecionadas.

A mudança deve vir atrelada a novidades anunciadas esta semana pela rede social. A primeira delas, a função chamada "Super Follow", vai permitir que criadores de conteúdo rentabilizem suas audiências, cobrando uma espécie de assinatura.

twitter-super-follow

Super Follow: Twitter apresentou tela de como será a interação com conteúdo exclusivo publicado na rede social (Twitter/Divulgação)

O processo será parecido com tornar-se membro de um canal no YouTube, por exemplo. Com a inscrição, o seguidor se torna parte de uma comunidade exclusiva, ganha acesso a conteúdos que não são divulgados publicamente, tem prerrogativas para envio de mensagens e de sugestões ao influenciador, e pode ganhar descontos em produtos.

Inicialmente, o Twitter afirmou, durante um evento esta semana, que a funcionalidade irá custar 4,99 dólares. Além do YouTube, o modelo é parecido com outros sites que têm triunfado no modelo de assinatura de conteúdo, como Patreon e Only Fans.

A novidade se junta a outras funções que o Twitter está trazendo, para criar um sentimento de comunidade e de interação. Depois de ter comprado o serviço de entrega de newsletters Revue no mês passado, o Twitter já está incorporando o serviço à plataforma.

O modelo expande o tradicional negócio de newsletter, mais focada no recebimento por e-mail, e alavanca as audiências que usuários do Twitter conquistaram durante anos. Jornalistas, analistas políticas e financeiros podem se beneficiar de distribuir conteúdo pago pela plataforma.

Além disso, pela primeira vez, o Twitter também apresenta uma opção de renda para usuários com grande número de seguidores, além dos posts publicitários e pagos, se colocando como uma plataforma de divulgação de conteúdo.

Spaces, muito parecido com o Clubhouse

Outra nova funcionalidade, que está sendo testada desde o final do ano passado por usuários, são os Spaces. A ferramenta funciona junto aos Fleets, os stories do Twitter, e permite que um grupo de até 10 pessoas se reúna para debater um assunto diante de uma audiência.

É uma versão do Clubhouse no Twitter. Por enquanto, a função está em testes e funciona apenas para dispositivos iOS (assim como o Clubhouse), mas o Twitter já anunciou a intenção de expandir o modelo e levar também para os usuários Android.

O movimento é parte de uma iniciativa ambiciosa do Twitter: se manter uma plataforma competitiva e dobrar receita e número de usuários em dois anos.

Por anos, o Twitter ficou atrás de concorrentes como Instagram e Facebook — e muitos investidores reclamaram da demora na implementação de novas usabilidades.

Agora, a empresa quer acelerar o desenvolvimento de funcionalidades, dobrando o número de funções entregues pelos funcionários, especialmente aquelas que possam trazer maior receita e novos usuários.

O Twitter quer terminar o quarto trimestre de 2023 com 315 milhões de usuários diários rentáveis — eram 152 milhões no final de 2019 e a meta implica em um crescimento médio anual de 20%. De 2019 para 2020, o número de usuários cresceu 27%, encerrando o ano passado em 192 milhões.

A meta é ambiciosa, mas é ainda bem abaixo dos bilhões de usuários acumulados pela concorrência em suas plataformas. Há muito trabalho à frente do Twitter, mas a rede social parece determinada a competir de igual na nova era de criação de conteúdo.