Revista Exame

Restrição e baixo estoque de imóveis puxam o preço no mercado imobiliário em Recife

Restrições impedem aumento de oferta; menor quantidade de imóveis torna o preço do aluguel 10% mais caro na capital pernambucana

Vista do bairro de Boa Viagem, no Recife (Ildo Frazao/Thinkstock)

Vista do bairro de Boa Viagem, no Recife (Ildo Frazao/Thinkstock)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 26 de outubro de 2023 às 06h00.

O número cada vez mais baixo de imóveis tem feito os preços atingirem novos picos no Recife. Em cinco anos, o estoque de imóveis para locação na cidade caiu 28%, segundo o Sindicato da Habitação de Pernambuco (Secovi-PE). Com isso, o aluguel ficou mais caro 10% em 2023, segundo o Índice FipeZap+.

Apesar do avanço, houve desaceleração em relação à alta de 18,3% registrada no mesmo período do ano passado, quando o estoque de locação atingiu o vale.

O estoque teve uma recuperação de 9% desde o ano passado. No mesmo período, a quantidade­ de imóveis disponíveis para a venda caiu 3%, impactando ainda mais a apreciação dos imóveis. O preço de venda subiu 9,3% em 12 meses — a maior alta dos últimos cinco anos.

Restrições a novas construções é o que tem limitado a oferta no Recife, contou Rafael Simões, presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi-PE). “Os bairros centrais estão protegidos por serem históricos. A oferta, hoje, cabe ao entorno.”

Acompanhe tudo sobre:Revista EXAMERecife

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

ESG na essência

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

Conheça o castelo na França exclusivo para convidados da Moët & Chandon

Mais na Exame