• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Comando Espacial dos EUA confirma 1º meteorito alienígena a atingir Terra

Cientistas e oficiais militares dos EUA agora acreditam que a Terra foi atingida por um meteoro de outro Sistema Solar em 2014, antes da descoberta em 2017 da rocha espacial extra-solar Oumuamua
 (Getty Images/iStock / Getty Images Plus)
(Getty Images/iStock / Getty Images Plus)
Por Da RedaçãoPublicado em 12/04/2022 08:26 | Última atualização em 13/04/2022 09:04Tempo de Leitura: 5 min de leitura

O Comando Espacial dos EUA confirmou as descobertas dos cientistas de Harvard de que uma rocha espacial vinda de outro sistema estelar atingiu a Terra em 2014.

O anúncio muda a data da primeira descoberta confirmada de um visitante extra-solar em três anos, e levanta a possibilidade, ainda que remota, de coletar fragmentos do meteorito alienígena do oceano Pacífico, onde explodiu em uma bola de fogo.

A descoberta sugere ainda que rochas do espaço extra-solar podem ser visitantes mais comuns do que se pensava em nosso sistema solar.

Em 6 de abril, o Comando Espacial emitiu um memorando confirmando o trabalho dos astrônomos de Harvard Amir Siraj e Abraham Loeb, observando que a velocidade e a trajetória do meteoro sugeriam que a rocha espacial era de origem extra-solar.

Siraj e Loeb escreveram um artigo em 2019 defendendo uma origem extra-solar para o meteoro e o publicaram no servidor de preprint científico ArXiv. Mas a dupla não conseguiu publicar o artigo em uma revista científica revisada por pares devido à sua dependência de dados de alguns sensores usados ​​pelo Departamento de Defesa dos EUA, de acordo com relatórios da Vice.

Após a descoberta de Oumuamua, um asteroide grande e alongado que passa pelo nosso Sistema Solar e, em última análise, determinado como sendo de origem interestelar, Loeb e Siraj começaram a pesquisar dados históricos do Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra (Center for Near Earth Object Studies, CNEOS) da Nasa em busca de evidências de pequenos meteoros que também poderiam ter vindo de fora do Sistema Solar e queimado na atmosfera da Terra.

Um desses meteoros gerou uma bola de fogo detectada perto de Papua Nova Guiné em 8 de janeiro de 2014, e os dados do CNEOS indicaram que veio de um pequeno meteoro que estava viajando excepcionalmente rápido em relação ao Sol, uma indicação de que se originou fora do nosso Sistema Solar.

Quando analisaram os números, os cientistas concluíram “com 99,999% de confiança que o meteoro de 2014-01-08 era interestelar”, mas a margem de erro não era boa o suficiente para que seu artigo passasse pelo processo de revisão por pares. Isso, segundo a Vice, exigiria dados de sensores CNEOS que os militares dos EUA também usam para monitorar as “bolas de fogo” criadas por armas nucleares.

No entanto, o memorando do Comando Espacial de 1º de março, assinado por Joel Mozer, cientista-chefe do Comando de Operações Espaciais dos EUA, pode ajudar a tirar o artigo do limbo editorial. E, publicação à parte, o memorando confirma que Oumuamua não foi o primeiro visitante interestelar do sistema solar, e sugere que nem ele, nem o meteoro de 2014 serão os últimos.

Sinal de vida alienígena?

No artigo, Sirah e Loeb calculam que a Terra é atingida por um meteoro extra-solar cerca de uma vez por década, com mais de 450 milhões desses meteoros atingindo a Terra ao longo de sua vida até agora.

É até possível, eles escrevem no artigo, que esses emissários interestelares possam levar a evidências de vida alienígena. “Potencialmente, meteoros interestelares podem trazer vida de outro sistema planetário e mediar a panspermia.”

Panspermia explica a hipótese de que a vida existe em todo o Universo, distribuída por meteoros, asteroides e planetoides. De acordo com a hipótese da panspermia, a vida poderia se originar em qualquer lugar do universo onde as condições sejam favoráveis, e que existem mecanismos para o movimento da vida de um local para outro através do espaço. Assim, a vida abundante observada na Terra poderia não ter se originado aqui em nosso planeta

Dr. Loeb também argumenta que Oumuamua poderia ter sido uma forma de tecnologia alienígena, em vez de um asteroide extra-solar, mas esta é uma posição minoritária entre a comunidade de astronomia.

Sinais de vida ou não, Siraj disse à Vice que gostaria de organizar uma expedição para ver se algum fragmento do meteorito de 2014 poderia ser recuperado do oceano.

“Seria um grande empreendimento”, disse ele, “mas vamos analisá-lo com extrema profundidade porque a possibilidade de obter o primeiro pedaço de material interestelar é empolgante o suficiente para verificar isso a fundo”.