• AALR3 R$ 20,14 -0.30
  • AAPL34 R$ 68,81 3.04
  • ABCB4 R$ 16,76 0.42
  • ABEV3 R$ 14,08 0.43
  • AERI3 R$ 3,87 6.32
  • AESB3 R$ 10,97 2.52
  • AGRO3 R$ 30,90 0.52
  • ALPA4 R$ 20,76 1.47
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,17 1.38
  • AMAR3 R$ 2,47 2.49
  • AMBP3 R$ 31,17 3.73
  • AMER3 R$ 24,07 2.56
  • AMZO34 R$ 65,50 -1.71
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,51 -2.27
  • ASAI3 R$ 15,87 -0.56
  • AZUL4 R$ 21,96 4.08
  • B3SA3 R$ 12,10 0.50
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,14 -0.30
  • AAPL34 R$ 68,81 3.04
  • ABCB4 R$ 16,76 0.42
  • ABEV3 R$ 14,08 0.43
  • AERI3 R$ 3,87 6.32
  • AESB3 R$ 10,97 2.52
  • AGRO3 R$ 30,90 0.52
  • ALPA4 R$ 20,76 1.47
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,17 1.38
  • AMAR3 R$ 2,47 2.49
  • AMBP3 R$ 31,17 3.73
  • AMER3 R$ 24,07 2.56
  • AMZO34 R$ 65,50 -1.71
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,51 -2.27
  • ASAI3 R$ 15,87 -0.56
  • AZUL4 R$ 21,96 4.08
  • B3SA3 R$ 12,10 0.50
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

O plano do Magalu e do Sebrae para digitalizar 100 mil pequenas empresas

O Magazine Luiza e o Sebrae se uniram durante a pandemia para ajudar os pequenos negócios a vender online; 1.500 empresas foram capacitadas até agora
Magazine Luiza: parceria ajuda pequenos negócios a vender no marketplace da varejista pelo programa Parceiro Magalu (Exame/Germano Lüders)
Magazine Luiza: parceria ajuda pequenos negócios a vender no marketplace da varejista pelo programa Parceiro Magalu (Exame/Germano Lüders)
Por Carolina IngizzaPublicado em 22/09/2020 10:39 | Última atualização em 22/09/2020 10:39Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Sabendo que as micro e pequenas empresas teriam mais dificuldade para digitalizar suas operações da noite para o dia por causa da pandemia do novo coronavírus, o Sebrae decidiu buscar ajuda com gigantes do e-commerce. Em abril, a entidade fechou um acordo com a varejista Magazine Luiza para facilitar a entrada das PMEs no seu marketplace por meio do programa Parceiro Magalu. O projeto, que estava sendo testado em São Paulo e Pernambuco, já auxiliou 1.500 empresas. Agora, os parceiros decidiram expandi-lo para nível nacional.

A meta é ambiciosa: digitalizar 100.000 pequenos negócios até o final de 2021. O Sebrae acredita que os marketplaces, como o do Magalu, são um caminho mais estruturado para as empresas que precisam começar a vender online. Os sites de gigantes como B2W, ViaVarejo e Mercado Livre oferecem um fluxo constante de clientes e ajudam os pequenos a organizar pagamentos e logística.

Como funciona o projeto

O Sebrae desenvolveu um sistema para ajudar o comerciante que quer entrar em um marketplace pela primeira vez. No site da entidade, o empreendedor recebe indicações de onde começar a vender como base no seu perfil. Para isso, precisa responder perguntas básicas sobre o negócio neste site

“Primeiramente, o empreendedor faz um diagnóstico do nível de digitalização do negócio e, a partir daí, são oferecidas diversas soluções para atender as demandas específicas que ele tem para se inserir no ambiente digital, inclusive a possibilidade dos canais de marketplaces”, afirmou o analista de competitividade do Sebrae Flávio Petry, em entrevista à Agência Sebrae de Notícias.

O Sebrae também disponibiliza cursos gratuitos online para que os empreendedores aprendam estratégias para aumentar vendas online e conheçam ferramentas digitais de gestão de negócio.

Para continuar a melhorar a plataforma, a entidade vai monitorar o desempenho dos pequenos negócios dentro do Parceiro Magalu. “Estamos coletando informações que serão fundamentais para propor novas soluções para que os empresários melhorem cada vez mais o desempenho dentro dos marketplaces”, disse Petry.

As vendas online parecem um caminho sem volta no varejo. Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, de março a julho, mais de 120.000 varejistas aderiram aos marketplaces no Brasil. É um ritmo três vezes superior ao de antes da pandemia.

O aumento do número de lojas online acompanha o crescimento do e-commerce como um todo. No primeiro semestre de 2020, as vendas online subiram 47%, totalizando 38,8 bilhões de reais. Além disso, cerca de 7,3 milhões de brasileiros fizeram sua primeira compra online durante o primeiro semestre de 2020, um crescimento de 40%, segundo a consultoria Ebit/Nielsen.