Negócios

Walmart vai parar de vender tablet Kindle, da Amazon

Varejista continua a vender produtos como o iPad, da Apple, e o Nook, da Barnes & Noble

Tablet Kindle Fire HD, da Amazon (Gus Ruelas/Reuters)

Tablet Kindle Fire HD, da Amazon (Gus Ruelas/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 20 de setembro de 2012 às 14h48.

O Walmart vai parar de vender os tablets e leitores de livros digitais Kindle - se a segunda grande rede de varejo a interromper a distribuição dos aparelhos da Amazon. A maior rede de varejo do mundo aposta que consumidores estão mais interessados em outros dispositivos.

"Recentemente tomamos a decisão de não mais vendermos tablets e leitores digitais da Amazon além de nosso estoque existente e compromissos de compra", disse o Walmart em um memorando enviado a gerentes de lojas datado da última quarta-feira. "Isso inclui todos os modelos Amazon Kindle atuais e recentemente anunciados." O Walmart disse que a decisão foi consistente com sua estratégia geral de mercadorias. Apesar da rede superar outros varejistas em vendas gerais, a empresa fica atrás da Amazon e de outras empresas na Internet e tem tentado encorpar seus negócios online.

Consumidores que compram os tablets Kindle, como o Kindle Fire HD, podem adquirir pelos aparelhos mais do que livros digitais, elevando a concorrência da Amazon com lojas.

Uma porta-voz do Walmart confirmou a decisão e disse que a companhia continuará a vender uma ampla variedade de computadores tablet, leitores digitais e acessórios. A Amazon rejeitou comentar sobre o assunto.

O Walmart continua a vender produtos como o iPad, da Apple, e o Nook, da Barnes & Noble.

A decisão do Walmart de parar a venda do Kindle acontece meses após a rede de varejo norte-americana Target parar de vender esses produtos.

Acompanhe tudo sobre:AmazonComércioEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetKindlelojas-onlineSupermercadosTabletsVarejoWalmart

Mais de Negócios

Anderson Silva fará última luta em solo brasileiro neste sábado; veja como acompanhar

Já reiniciou? Após mais de R$ 22 mi, startup do 'modem inteligente' começa a operar fora do país

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Mais na Exame