Negócios

Venda do TSB por Lloyds mostra demanda por bancos britânicos

Lloyds disse ter vendido 57,5 milhões de ações, ficando com uma participação de 50 por cento no banco de menor porte


	Lloyds: empresa precisa atender um prazo para vender todo o TSB até o final de 2015
 (Bloomberg/Bloomberg)

Lloyds: empresa precisa atender um prazo para vender todo o TSB até o final de 2015 (Bloomberg/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de setembro de 2014 às 11h50.

Londres - O Lloyds vendeu uma fatia adicional de 11,5 por cento no TSB em uma oferta de ações de 161 milhões de libras (262,5 milhões de dólares), que não precisou de desconto sobre o preço das ações no mercado diante da forte demanda.

O Lloyds disse ter vendido 57,5 milhões de ações a 280 pences cada, ficando com uma participação de 50 por cento no banco de menor porte.

Este é mais um passo rumo ao atendimento de um prazo para vender todo o TSB até o final de 2015, definido por reguladores europeus como condição do resgate estatal do Lloyds durante a crise financeira.

Fontes familiarizadas com o assunto disseram que a demanda pelas ações superou em muitas vezes o número de ações disponíveis, permitindo que o Lloyds vendesse as ações para investidores principalmente de longo prazo.

Os investidores foram atraídos por uma exposição à recuperação econômica da Grã-Bretanha através de um banco que não está marcado por problemas passados de conduta, segundo fontes do setor.

Eles veem o TSB como um rival viável para os "Quatro Grandes" bancos britânicos - o Lloyds, o Royal Bank of Scotland, o Barclays e o HSBC.

O TSB é um dentre um número de bancos britânicos que foram listados recentemente na bolsa de valores ou que estão se preparando para fazê-lo. O sucesso desta última venda pode encorajar outros bancos que estão considerando listagens.

Acompanhe tudo sobre:BancosEmpresasEmpresas inglesasFinançasLloydsMercado financeiro

Mais de Negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Mais na Exame