Negócios

Eneva terá R$ 300 mi do BNDES e bancos para Pecém II

A finalidade é reperfilamento da dívida de curto prazo da usina termelétrica de Pecém II e Eneva


	Usina da Eneva, ex-MPX: a Eneva afirma ter obtido o suporte das instituições financeiras e do BNDES para dar sequência ao Plano de Estabilização
 (Divulgação/Divulgação)

Usina da Eneva, ex-MPX: a Eneva afirma ter obtido o suporte das instituições financeiras e do BNDES para dar sequência ao Plano de Estabilização (Divulgação/Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de setembro de 2014 às 11h58.

São Paulo - A Eneva anuncia que foi aprovada uma linha de crédito de longo prazo de R$ 300 milhões com o BNDES e algumas das instituições financeiras participantes do Plano de Estabilização da companhia, anunciado em 12 de maio de 2014, que envolve os bancos BTG Pactual, Citibank, HSBC e Itaú Unibanco.

A finalidade é reperfilamento da dívida de curto prazo da usina termelétrica de Pecém II e Eneva e futuros compromissos dessas partes, conforme comunicado ao mercado. "O desembolso desse montante está sujeito a condições precedentes", informa a nota.

Além disso, a Eneva afirma ter obtido o suporte das instituições financeiras e do BNDES para dar sequência ao Plano de Estabilização, "objetivando a preservação do caixa da Eneva e suas controladas, o reperfilamento das dívidas financeiras e o fortalecimento da estrutura de capital da companhia, em continuidade às medidas já implementadas e anunciadas anteriormente."

Acompanhe tudo sobre:BNDESEmpresasEnevaFinanciamento de grandes empresasGás e combustíveisPetróleo

Mais de Negócios

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Mais na Exame