Negócios
Apresentado por INTELBRAS

Universidade aposta em software com IA para aumentar a segurança no campus

Sistema de gestão de segurança inteligente da Intelbras tem controle de acesso, reconhecimento de placas e até câmeras térmicas, com alta capacidade de zoom

Universidade Estadual de Londrina: câmeras, alarme e controle de acesso aumentam a segurança no campus  (Intelbras/Divulgação)

Universidade Estadual de Londrina: câmeras, alarme e controle de acesso aumentam a segurança no campus (Intelbras/Divulgação)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 23 de maio de 2024 às 10h00.

Na Universidade Estadual de Londrina (UEL), no Paraná, circulam diariamente cerca de 25 mil pessoas. Até julho do ano passado, caso houvesse um furto ou assalto, seriam necessários dias para assistir manualmente às imagens das câmeras de segurança da instituição para identificar o suspeito.

Hoje, com a ampliação do sistema de CFTV e a instalação do software de Inteligência Artificial (IA) da Intelbras, em parceria com o Grupo Smartseg, a busca leva minutos ou até mesmo segundos para ser realizada.

No início, a universidade estava interessada apenas em ampliar o número de câmeras instaladas – já possuía 56 e adquiriu 45 novas câmeras com alta capacidade de zoom, imagens em alta resolução e recursos de IA embarcados.

Isso permite a rápida identificação de pessoas e inibe ações que possam ameaçar a segurança da comunidade universitária e protege o patrimônio público.

Câmeras da Intelbras: instaladas no campus da UEL, elas têm alta capacidade de zoom, imagens em alta resolução e recursos de inteligência artificial embarcados (Intelbras/Divulgação)

Além das câmeras

O projeto, resultado de uma licitação promovida pela instituição, incluiu um pacote completo de tecnologia das câmeras, planejamento, estudo do espaço e local de instalação, manutenção, monitoramento e infraestrutura para a leitura e armazenamento de imagens.

“As soluções foram instaladas em locais definidos com base em critérios técnicos, visando aumentar a segurança na comunidade”, afirma Raphael Rabello Hernandes, gerente sênior de Soluções e Projetos da Intelbras. “Todo o projeto foi cuidadosamente planejado para a implementação de um sistema inteligente integrado e centralizado.”

O Centro de Comando e Controle também foi modernizado. Foi instalado um novo complexo com sala de videomonitoramento equipada com o software de gestão de segurança eletrônica.

É essa tecnologia que permite fazer a busca “forense” de suspeitos, considerando características físicas ou vestimentas da pessoa, em um tempo infinitamente menor. O centro ganhou ainda uma central de videowall com seis monitores que permite maior controle das imagens.

Reconhecimento de placas 


Além disso, câmeras térmicas foram instaladas na fazenda do campus para evitar furto de animais, as entradas e saídas da universidade ganharam câmeras com leitura e reconhecimento de placas de veículos para controle de acesso e de estacionamento. Também foram instalados sistemas de alarme de incêndio, de monitoramento convencional e de controle de acesso, além do detector de temperatura.

Todos os sistemas são integrados pelo software da Intelbras. Se houver um disparo do alarme de incêndio, por exemplo, automaticamente salta um “pop up” na tela do operador com a imagem da câmera mais próxima do foco do incêndio. Ele também libera automaticamente as catracas para que não retenha uma saída de emergência de alunos, colaboradores e visitantes.

“O projeto envolveu não apenas a implantação do sistema de monitoramento, mas também uma infraestrutura de primeira linha, com a instalação de quase 7 mil metros de fibra óptica nos 2,35 milhões de m² do campus”, conta Fabiano Paulino, supervisor de Licitação do Grupo Smartseg, responsável pela comercialização e instalação das soluções no campus. “Isso o tornou um dos maiores e mais avançados projetos de videomonitoramento no setor educacional.”

Videomonitoramento da Intelbras: sala é equipada com software embarcado com IA (Intelbras/Divulgação)

Campus seguro

Como a universidade recebe muitos visitantes e tem uma grande extensão territorial, mesmo com um grande efetivo de seguranças – rondas, vigilantes – para cobrir toda a área da universidade, ainda assim havia muitas ocorrências no campus.

“Adquirimos um amplo domínio no emprego das tecnologias de detecção facial e de busca forense, auxiliando o trabalho de nossa equipe de segurança na redução do número de ocorrências", explica Luiz Cláudio Buzeti, prefeito do campus da Universidade Estadual de Londrina.

Para Hernandes, da Intelbras, com as novas tecnologias, a equipe ganhou um reforço para garantir a segurança real na universidade. “O meliante percebe que ali já não é um lugar para ele cometer seus atos e vai embora. E o resultado é que até a comunidade começou a frequentar mais a universidade.”

O executivo aponta que já é perceptível um movimento de universidades para buscar tecnologias que melhorem a qualidade da segurança em seus campi. Até mesmo escolas primárias estão adotando soluções inteligentes com o licenciamento de poucas câmeras. “É um sistema bem customizável.”

Tecnologia nacional

A Intelbras é uma desenvolvedora de tecnologia brasileira que atua há 48 anos no mercado nacional. É um dos poucos players nacionais que conseguem entregar uma solução completa, de ponta a ponta.

Seu amplo portfólio inclui soluções de energia solar, conectividade, comunicação, controle de acesso, segurança e controle de incêndio.

Além disso, há mais de 15 anos a empresa mantém um centro de treinamentos que atua em vários estados do país e forma desde instaladores até grandes integradores, além de mais de 700 cursos online gratuitos. Só em 2023, foram emitidas mais de 280 mil certificações de treinamentos realizados pelo centro. A empresa ainda tem o maior centro de P&D privado da América Latina.

 

Acompanhe tudo sobre:branded-content

Mais de Negócios

Anderson Silva fará última luta em solo brasileiro neste sábado; veja como acompanhar

Já reiniciou? Após mais de R$ 22 mi, startup do 'modem inteligente' começa a operar fora do país

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Mais na Exame