Negócios

Swiss Re terá de pagar US$ 900 mi por estragos de Sandy

O montante que a seguradora terá de pagar representa entre 3,6% e 4,5% do valor total de bens assegurados afetados pelo furacão


	 

	Homem observa casa tombada pela tempestade Sandy, em Queens, NY: o furacão causou fortes ventos, tempestades e grandes inundações, além de perdas humanas e materiais

  Homem observa casa tombada pela tempestade Sandy, em Queens, NY: o furacão causou fortes ventos, tempestades e grandes inundações, além de perdas humanas e materiais

DR

Da Redação

Publicado em 26 de novembro de 2012 às 08h57.

Genebra - A companhia seguradora suíça Swiss Re anunciou nesta segunda-feira que terá que pagar aproximadamente US$ 900 milhões por causa dos danos causados pela passagem do furacão "Sandy", que castigou o Caribe e a costa leste dos Estados Unidos no final de outubro.

Este número, que poderia ser superior de acordo com as estimativas prévias, representa entre 3,6% e 4,5% do valor total de bens assegurados afetados pelo furacão, que, por sua vez, se situa entre os US$ 20 bilhões e US$ 25 milhões.

O furacão "Sandy" causou fortes ventos, tempestades e grandes inundações, além de perdas humanas e materiais.

Matthias Weber, diretor da Swiss Re, destacou os danos causados no povoado nordeste dos EUA, uma região que foi afetada por prolongados cortes de eletricidade, mau funcionamento do transporte público e danos em infraestruturas 'que dificultaram os esforços de recuperação'.

"Essa situação também afeta o processo de avaliação de perdas. Nossa estimativa de reivindicações de pagamento está submissa a um grau de incerteza maior que o habitual e, por isso, ainda poderia ter que ser ajustada", completou Weber. 

Acompanhe tudo sobre:CelebridadesFuracõesPar CorretoraSandySeguros

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame