Acompanhe:
seloNegócios

Startup Payface compra a SmileGo para turbinar expansão em pagamentos com reconhecimento facial

Aquisição acontece após investimentos de BTG Pactual, HiPartners e Oasis, e mira chegar a 1,5 milhão de clientes ativos em 2024

Modo escuro

Continua após a publicidade
Eládio Isoppo e Ricardo Fritsche, cofundadores da Payface: expansão internacional está nos planos para os próximos anos  (Divulgação/Divulgação)

Eládio Isoppo e Ricardo Fritsche, cofundadores da Payface: expansão internacional está nos planos para os próximos anos (Divulgação/Divulgação)

O pagamento por reconhecimento facial é sucesso em países como a China, onde até um terço das compras são feitas com a tecnologia. No Brasil, a biometria facial já está presente nos aeroportos e em alguns aplicativos, mas ainda tem muito a avançar no varejo físico.

De olho nesta oportunidade, a Payface, startup de Santa Catarina líder em pagamentos por biometria facial no Brasil, fechou a aquisição da concorrente SmileGo. A SmileGo é especializada em onboarding e em pagamentos biométricos com cartões private label, aqueles que recebem a marca das redes varejistas. Fazia parte da Vsoft e da RPE, que processam cartões de 60 varejistas com 7 milhões de clientes. Victor Braz, ex-CEO da SmileGo, assume a diretoria de Arranjos Fechados da Payface.

Quem são os clientes da Payface

A Payface vinha montando nos últimos três anos uma rede com 1.500 pontos de venda para fazer permitir pagamentos com biometria facial no varejo físico — atende, por exemplo, a rede paulista St. Marche, em parceria com a Mastercard. Já a SmileGo tem 40 varejistas clientes na originação de cadastros e estava se preparando para oferecer biometria facial também para pagamentos.

Com a união das duas empresas, a ambição é turbinar a oferta de pagamento com reconhecimento facial em lojas de grandes varejistas de todo o país. "Os dois negócios têm muita sinergia", diz Eládio Isoppo, CEO e cofundador da Payface ao lado de Ricardo Fritsche. "A meta é fechar 2024 com 1,5 milhão de clientes ativos por mês".

Segundo Isoppo, o pagamento com reconhecimento facial nos cartões dos varejistas é especialmente promissor porque eles nem sempre estão nas carteiras dos clientes. A biometria aumentará a segurança e tende a impulsionar as vendas.

A união também ajuda as startups a se proteger contra novos concorrentes num mercado que naturalmente crescerá nos próximos anos. Isoppo destaca a integração de ecossistemas como o maior diferencial competitivo.

Quais são os planos

A empresa, que recebeu investimento do banco BTG Pactual (do mesmo grupo que controla a EXAME), da HiPartners e da Oasis Ventures, planeja oferecer soluções de biometria para parceiros de diferentes marcas e mercados, do varejo ao sistema financeiro. "Temos missão de ser agnósticos em meios de pagamento e conectar nossa infraestrutura nos principais emissores", diz.

Entre os novos serviços previstos estão soluções de biometria facial em aplicativos e também por maquininhas, para ampliar as possibilidades no varejo físico. Como competidores globais tendem a ganhar espaço no Brasil, a empresa está de olho também no crescimento internacional, a começar por países da América Latina.

Uma nova rodada de investimentos está no radar para 2024. Assim como novas aquisições.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
TCU vê riscos em projetos sobre IA que podem prejudicar capacidade de inovação
Brasil

TCU vê riscos em projetos sobre IA que podem prejudicar capacidade de inovação

Há um dia

Em sexta edição, Brazil at Silicon Valley quer aprofundar discussões sobre a adoção da IA generativa
seloNegócios

Em sexta edição, Brazil at Silicon Valley quer aprofundar discussões sobre a adoção da IA generativa

Há um dia

Aos 15 anos, americano ganha US$ 100 mil no programa Shark Tank por uma ideia que teve na infância
seloNegócios

Aos 15 anos, americano ganha US$ 100 mil no programa Shark Tank por uma ideia que teve na infância

Há um dia

Depois de 14 anos como CLT, ele criou um negócio de transporte para empresas que fatura R$ 10 mi
seloNegócios

Depois de 14 anos como CLT, ele criou um negócio de transporte para empresas que fatura R$ 10 mi

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais