Snapchat luta para não ser esmagado pelo Instagram

A companhia divulga balanço após modernizar o negócio em meio a gigantes que copiaram seus recursos, como os stories

Se por um lado os negócios não vão muito bem para o Snapchat, por outro, a rede social não mostra sinais de que vai jogar a toalha. Nos últimos meses, a rede social voltada para jovens voltou a expandir o número de usuários enquanto diminui seus prejuízos fiscais.

Nesta terça-feira, 23, a Snap, dona do aplicativo, irá divulgar seu balanço do segundo trimestre. Será a primeira vez que modernizações como a inclusão de games serão sentidas nos lucros da empresa que luta para não ser esmagada por gigantes que copiaram seus recursos, como o Instagram

Lançado em 2011, o Snapchat logo popularizou seu modelo de troca de mensagens através de fotos e vídeos curtos e deu início à febre das conversas pelos snaps, que somem após serem visualizados. Junto, vieram os stories, que ficam no ar por apenas 24 horas. Cercada de concorrentes muito maiores, entretanto, a rede social viu seus principais recursos serem replicados em outros aplicativos. 

Em 2013, o Facebook chegou a fazer uma oferta de 3 bilhões de dólares pelo Snapchat. A rede social não aceitou a proposta e, três anos mais tarde, em 2016, o Instagram incorporou os stories. Hoje, não só o Instagram, mas também o próprio Facebook, o Messenger e o WhatsApp contam com a função inventada pela rival.

O número combinado de usuários do Facebook Story com o de stories do Messenger é de 300 milhões, segundo dados divulgados pela empresa em setembro de 2018. O Instagram Stories tinha 500 milhões de usuários diários, segundo dados de janeiro deste ano, e o WhatsApp Status tinha 450 milhões de usuários no segundo trimestre do ano passado.

Com o atropelo, o Snapchat viu seu negócio diminuir substancialmente, mas os resultados financeiros estão, ao menos, melhorando.

A companhia finalizou o primeiro trimestre de 2019 com um prejuízo líquido de 310 milhões de dólares ante uma baixa de 350 milhões dólares de um ano antes. O faturamento cresceu, de 286 milhões para 320 milhões de dólares. O número de usuários ativos também aumentou em 5%, indo a 190 milhões. 

Em abril, a Snap anunciou sua entrada no mercado de games. A mudança era esperada desde 2017, quando a gigante chinesa Tencent, uma das maiores desenvolvedoras de jogos do mundo, comprou 12% da rede social. 

A companhia também aposta em uma nova versão do seu aplicativo para smartphones Android. Ele é 25% menor do que o atual e é 20% mais veloz na sua execução. 

As ações da Snap ainda estão 30% mais baixas do que na abertura de capital, em março de 2017. Mas dá para ver o copo meio cheio. As ações triplicaram de valor desde dezembro, fazendo a companhia valer hoje 19 bilhões de dólares, seis vezes mais que o cheque recusado do Facebook.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.