Negócios
Acompanhe:

Setor privado é grande parte da solução climática, diz Ojiambo, da ONU

Mais de mil empresas ao redor do mundo se comprometeram a reduzir suas emissões, em um esforço de limitar o aquecimento global a 1,5ºC.

 (UN Global Compact / Chae Kihn/Reprodução)

(UN Global Compact / Chae Kihn/Reprodução)

R
Renata Faber

Publicado em 14 de novembro de 2021, 12h00.

De Glasgow, na Escócia*

A COP26 vai entrar para a história como o momento em que o setor privado assumiu sua responsabilidade no combate às mudanças climáticas. Essa foi a 26ª edição da COP, e nunca vimos tantos executivos percorrendo os corredores da Blue Zone.

Conheça o mais completo curso de formação executiva sobre ESG no Brasil.

A presença corporativa na COP é especialmente importante para a queniana Sanda Ojiambo, CEO e diretora executiva do Pacto Global das Nações Unidas.

Para Sanda, “os governos não conseguem resolver sozinhos as mudanças climáticas, por isso é preciso ter a iniciativa privada junto nesse desafio”.

O Pacto Global da ONU é a maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo, que trabalha junto com as empresas a fim de alinhar suas operações e estratégias com 10 princípios que abrangem as áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e anticorrupção.

E não foram apenas os governos que firmaram compromissos durante a COP26. A iniciativa Science Based Targets (SBTi) e o Pacto Global anunciaram que “1.046 empresas, que representam cerca de 23 trilhões de dólares em capitalização de mercado, responderam à urgência da descarbonização, no ritmo e na escala necessários para limitar o aquecimento global a 1,5°C. Tais empresas abrangem 53 setores, em 60 países e, juntas, têm mais de 32 milhões de funcionários”.

A iniciativa Science Based Targets (SBTi) é uma colaboração do próprio Pacto Global das Nações Unidas com instituições como CDP, World Resources Institute e o World Wide Fund for Nature. O SBTi define e promove as melhores práticas no estabelecimento de metas baseadas na ciência, para que as empresas reduzam suas emissões em linha com o compromisso de limitar o aquecimento global a 1,5º C quando comparado aos níveis pré-industriais.

Em entrevista exclusiva a EXAME, Sanda falou sobre o papel das empresas no combate à crise climática, sobre como o Pacto Global pode ajudar e monitorar as empresas nessa transição, sobre o papel do Brasil.

Exame na COP26

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC) é um tratado internacional com o objetivo de estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera.

Uma das principais tarefas da COP é revisar as comunicações nacionais e os inventários de emissões apresentados por todos os países membros e, com base nessas informações, avaliar os progressos feitos e as medidas a serem tomadas.

Para além disto, líderes empresariais, sociedade civil e mais, se unem para discutir suas participações no tema. Neste cenário, a EXAME atua como parceira oficial da Rede Brasil do Pacto Global, da Organização das Nações Unidas.