Acompanhe:
seloNegócios

Sem insumos, Whirlpool concede férias coletivas

Com a greve dos caminhoneiros, a entrega desses materiais, que é diária, começou a falhar. A saída de produtos acabados também está prejudicada

Modo escuro

Continua após a publicidade
Whirlpool: empresa engrossa a lista de fábricas paradas do setor de eletrodomésticos e eletrônicos que já estão paradas (Raphael Gunther/EXAME/Exame)

Whirlpool: empresa engrossa a lista de fábricas paradas do setor de eletrodomésticos e eletrônicos que já estão paradas (Raphael Gunther/EXAME/Exame)

M
Márcia de Chiara, do Estadão Conteúdo

Publicado em 28 de maio de 2018 às, 16h54.

São Paulo - A partir desta segunda-feira, 28, a fabricante de eletrodomésticos Whirlpool, dona das marcas Consul e Brastemp, dará férias coletivas de cinco dias aos trabalhadores das fábricas Joinville (SC) e Rio Claro (SP). O motivo é a falta de insumos, como aço e resinas, para as linhas de produção.

Com a greve dos caminhoneiros, a entrega desses materiais, que é diária, começou a falhar. A saída de produtos acabados também está prejudicada pela falta de transporte. O estoque de geladeiras e fogões da companhia, por exemplo, é de 20 dias.

A fábrica de Joinville produz refrigeradores e freezers. A unidade de Rio Claro fabrica fogões e lavadoras de roupas. A planta de Manaus (AM), que produz aparelhos de ar condicionado, lava-louças e forno micro-ondas, já estava em férias coletivas que normalmente ocorrem nesta época por causa da redução sazonal da procura por ar condicionado.

Ao todo são 12 mil trabalhadores diretos e indiretos de braços cruzados nas três fábricas. Os funcionários dos escritórios da companhia continuarão a trabalhando normalmente.

Setor

Com as férias coletivas, a Whirlpool engrossa a lista de fábricas paradas do setor de eletrodomésticos e eletrônicos que já estão paradas. No fim da semana passada, a Eletros, associação que reúne a indústria do setor, informou que oito fábricas tinham suspendido a produção total ou parcialmente.

O presidente da Eletros, José Jorge do Nascimento Júnior, disse que os produtos mais afetados são os televisores, refrigeradores, fogões e geladeiras. Segundo ele, a greve foi um balde de água fria para a indústria, que começava a recuperar as vendas, após três anos de crise.

No primeiro trimestre, as vendas de TVs para o varejo cresceram 46% em relação ao ano passado. Na linha branca, que inclui geladeiras, fogões e lavadoras, a alta foi de 3%.As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Greve nas universidades federais: professores iniciam paralisação por reajuste salarial
Brasil

Greve nas universidades federais: professores iniciam paralisação por reajuste salarial

Há 20 horas

Universidades e institutos federais marcam greve a partir de segunda
Brasil

Universidades e institutos federais marcam greve a partir de segunda

Há 3 dias

Governo francês apresenta plano para acalmar agricultores
Mundo

Governo francês apresenta plano para acalmar agricultores

Há uma semana

Como as greves dos funcionários do Banco Central afetam as fintechs
Um conteúdo Bússola

Como as greves dos funcionários do Banco Central afetam as fintechs

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais