Negócios

Abertura COP26: ”Se falharmos, não seremos perdoados”, diz Boris Johnson

Em discurso de abertura da COP26, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, chamou a atenção para a urgência do combate às mudanças climáticas

Boris Johnson: na COP, primeiro-minstro relembra urgência de decisões concretas sobre o clima (ADRIAN DENNIS/AFP via Getty Images/Getty Images)

Boris Johnson: na COP, primeiro-minstro relembra urgência de decisões concretas sobre o clima (ADRIAN DENNIS/AFP via Getty Images/Getty Images)

“Quanto mais demoramos para agir, pior fica”. Essa foi uma das frases iniciais do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ao abrir a COP26, em Glasgow. Johnson relembrou o histórico da COP, que chega a sua 26ª edição: “Em Copenhagen, 11 anos atrás, reconhecemos que tínhamos um problema. Em Paris, 6 anos atrás, fizemos um compromisso. A COP26, em Glasgow, é o momento de agir”, disse.

Saiba como sair à frente ao adaptar sua empresa ao ESG com práticas sociais, ambientais e de governança neste curso da EXAME.

Ainda discorrendo sobre o histórico das COPs, Johnson reconheceu que “as conferências sozinhas não resolvem as questões climáticas, tanto que estamos na 26ª edição. Em Paris construímos um bote salva-vidas, e em Glasgow precisamos colocar esse bote no mar”.

Sobre a urgência de endereçar as mudanças climáticas, Boris Johnson lembrou que estamos correndo contra o relógio. “Temos uma difícil missão, mas precisamos começar. Se não encararmos esse problema agora, será muito tarde para nossas crianças. Se falharmos, não seremos perdoados. Glasgow não pode ser conhecido como o momento da história em que falhamos.”

A COP26 dá a chance para que o Reino Unido, berço da Revolução Industrial, seja também o berço da Revolução Industrial Verde. “Nós, países desenvolvidos, temos uma obrigação e uma responsabilidade, pois foi aqui, 250 anos atrás, que a revolução industrial começou. E agora precisamos começar a Revolução Verde, que vai mudar o planeta e criar empregos”.

Johnson também falou da ajuda de 100 bilhões de dólares dos países desenvolvidos para aqueles em desenvolvimento, acordada em Paris. “Essa ajuda precisa acontecer, mas apenas dinheiro não vai solucionar a questão climática. Os governos não podem agir sozinhos”.

Boris Johnson reconheceu que já temos muitas ideias e tecnologias para fazer a transição para uma economia de baixo carbono. “Mas precisamos do setor financeiro, das ONGs e do setor privado juntos nessa missão.”

Acompanhe tudo sobre:Boris JohnsonCOP26Mudanças climáticasReino Unido

Mais de Negócios

Com investimento de R$ 70 milhões, plataforma de renegociação de dívidas entra em operação

40 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Ele cansou de trabalhar em telecom. Agora, faz mais de R$ 1 mi com franquia de serviços automotivos

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Mais na Exame