Negócios

Scania América Latina terá CEO brasileiro pela 1ª vez

Christopher Podgorski , que já foi diretor geral da companhia no Brasil, assume o posto com a missão de atender a região e outros 30 mercados

Scania América Latina: Christopher Podgorski assume a direção (Divulgação Scania/Divulgação)

Scania América Latina: Christopher Podgorski assume a direção (Divulgação Scania/Divulgação)

Tatiana Vaz

Tatiana Vaz

Publicado em 4 de julho de 2017 às 16h40.

Última atualização em 4 de julho de 2017 às 17h03.

São Paulo – Pela primeira vez um brasileiro assume o comando da Scania na América Latina. Christopher Podgorski assume o posto da operação industrial, que comemora 60 anos no Brasil este ano e já é a segunda maior da empresa no mundo.

Em sua trajetória de vinte anos na Scania, Podgorski ocupou diversos cargos, entre eles, o de diretor geral da empresa no Brasil. Nos últimos três anos, atuou da sede, na Suécia, como vice-presidente sênior global para vendas e marketing de caminhões.

Na nova missão, o executivo tem como objetivo atender a produção para a América Latina e outros 30 mercados globais.

“Estou muito feliz por estar de volta”, disse ele, em comunicado à imprensa. “No Brasil temos uma planta ‘espelho’ da Suécia, ou seja, somos a única fora a matriz que contém todos os processos fabris e produz o veículo completo”.

Para Podgorski, a companhia tem hoje uma forte atuação nos mercados do chamado BRIC, bem como em mercados importantes da América Latina, com destaque para Argentina, Chile e Peru.

“Outro motivo de satisfação é o fato de o Brasil estar dando mostras de retomada, ainda tímida, mas que demonstra que uma demanda reprimida de renovação de frota poderia estar se realizando nos próximos meses”, completa.

Acompanhe tudo sobre:CaminhõesLiderançaScaniaVeículos

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame