Negócios

Salesforce não fará oferta de aquisição pelo Twitter

"Neste caso nós desistimos. Não era a escolha certa para nós", disse o presidente da empresa ao jornal Financial Times em entrevista


	Presidente-executivo da Salesforce.com, Marc Benioff: as ações do Twitter caíam cerca de 6%
 (Kevork Djansezian/Reuters)

Presidente-executivo da Salesforce.com, Marc Benioff: as ações do Twitter caíam cerca de 6% (Kevork Djansezian/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de outubro de 2016 às 17h42.

O presidente-executivo da Salesforce.com, Marc Benioff, descartou uma oferta pelo Twitter, uma decisão que apaziguou os investidores da Salesforce nesta sexta-feira e levantou questões sobre o futuro do Twitter.

"Neste caso nós desistimos. Não era a escolha certa para nós", disse Benioff ao jornal Financial Times em entrevista, acrescentando que havia muitas razões pelas quais não era a escolha certa, incluindo o preço e a cultura da empresa.

Uma porta-voz da Salesforce confirmou os comentários feitos ao FT e disse que a companhia não tinha mais nada a acrescentar. O Twitter não quis comentar.

As ações do Twitter caíam cerca de 6 por cento, enquanto as da Salesforce subiam cerca de 5,6 por cento na tarde desta sexta-feira.

A Salesforce, que é focada em softwares de vendas baseadas na nuvem e marketing, foi a mais recente interessada a desistir do Twitter, que tem explorado uma potencial venda com alguns compradores, noticiou a Reuters anteriormente.

O Google e a Walt Disney haviam inicialmente se interessado em uma aquisição, mas desistiram nas últimas semanas, disseram fontes à Reuters mais cedo esta semana.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaFusões e AquisiçõesInternetRedes sociaisSalesforceTwitter

Mais de Negócios

Nas franquias de educação, 83% dos alunos estão na sala de aula (e não em aulas online)

Eles começaram do zero, viraram referência em franquias e revelam segredos para sucesso nos negócios

Fintech dos EUA, Caliza capta R$ 45,7 milhões para impulsionar pagamentos internacionais por aqui

Mais na Exame