Negócios

Rossi decide encerrar atividades de subsidiária

Diretor da Rossi contou que subsidiária possui na carteira apenas dois centros de conveniência, anexos a empreendimentos residenciais em Curitiba e Porto Alegre


	Rossi residencial: a empresa decidiu encerrar definitivamente as atividades da Rossi Commercial Properties, subsidiária criada no ano passado
 (Divulgação)

Rossi residencial: a empresa decidiu encerrar definitivamente as atividades da Rossi Commercial Properties, subsidiária criada no ano passado (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de dezembro de 2013 às 16h12.

São Paulo - O diretor-superintendente da incorporadora Rossi Residencial, Leonardo Diniz, explicou que a empresa decidiu encerrar definitivamente as atividades da Rossi Commercial Properties, subsidiária criada no ano passado para o desenvolvimento de shopping centers de pequeno porte e centros de conveniência.

"Ela havia sido criada antes do turnaround (reestruturação) da companhia e estava muito no princípio. Não fazia sentido continuar se o nosso foco é a geração de caixa e desalavancagem", explicou, em entrevista a jornalistas.

Diniz contou que a subsidiária possui na carteira apenas dois centros de conveniência, anexos a empreendimentos residenciais nas cidades de Curitiba e Porto Alegre.

Os centros estão à venda e devem somar, juntos, R$ 80 milhões. Neste ano, a subsidiária já havia se desfeito de participação de um shopping em parceria com o grupo Ancar Ivanhoé, tradicional operador no País. O valor bruto da venda foi de R$ 80 milhões.

O diretor-superintendente da Rossi acredita que as duas vendas remanescentes deverão ser concluídas no primeiro semestre de 2014.

Neste momento, a Rossi está em busca de lojistas interessados em ocupar os espaços, que contam com área bruta locável (ABL) aproximada de 3 mil metros quadrados em Curitiba e 8 mil metros quadrados em Porto Alegre.

"Achamos mais fácil realizar a venda para investidores interessados em renda", disse, referindo-se a investidores que buscam ativos geradores de renda regularmente, como os aluguéis.

Já em relação à Rossi Urbanizadora, subsidiária anunciada na mesma época que a Rossi Commercial Properties, Diniz afirmou que será mantida.

"Temos interesse em continuar no projeto, que tem mais a ver com a atividade de incorporação imobiliária", explicou. O executivo disse que está em busca de parceiros para participarem dos projetos da Urbanizadora e não necessariamente com aportes de capital na empresa.

Acompanhe tudo sobre:Construção civilEmpresasRossiShopping centersVendas

Mais de Negócios

Anderson Silva fará última luta em solo brasileiro neste sábado; veja como acompanhar

Já reiniciou? Após mais de R$ 22 mi, startup do 'modem inteligente' começa a operar fora do país

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Mais na Exame