Acompanhe:
seloNegócios

Renault vende operações na Rússia e fabricas passam para mãos de Moscou

Em um comunicado, a Renault disse que cedeu sua participação majoritária (67,69%) na AvtoVAZ, para o NAMI, o Instituto Russo de Pesquisa e Desenvolvimento de Automóveis e Motores

Modo escuro

Continua após a publicidade
Renault vende seus ativos na Rússia

 (AFP/AFP)

Renault vende seus ativos na Rússia (AFP/AFP)

A
AFP

Publicado em 16 de maio de 2022 às, 10h24.

Última atualização em 16 de maio de 2022 às, 13h22.

Encurralada pelas sanções ocidentais contra a Rússia, a montadora francesa Renault confirmou nesta segunda-feira, 16, que vendeu seus ativos neste país para o Estado russo, na primeira nacionalização significativa desde a ofensiva de Moscou na Ucrânia.

Em um comunicado, a Renault disse que cedeu sua participação majoritária (67,69%) na AvtoVAZ, o maior fabricante de automóveis Lada na Rússia, para o NAMI, o Instituto Russo de Pesquisa e Desenvolvimento de Automóveis e Motores.

Graças à AvtoVAZ, a Rússia foi, no ano passado, o segundo maior mercado do Grupo Renault, atrás da Europa, com cerca de meio milhão de veículos vendidos.

LEIA TAMBÉM: McDonald's venderá negócios na Rússia e deixará o país em definitivo

Detalhes financeiros não foram divulgados, mas o ministro russo da Indústria e Comércio, Denis Manturov, disse em abril que a Renault planejava vender seus ativos russos por "um rublo simbólico".
"Foram assinados acordos sobre a transferência dos ativos russos do Grupo Renault para a Federação Russa e para o governo de Moscou", afirmou o ministério em um comunicado.

O grupo automobilístico francês também cedeu para a cidade de Moscou as operações da Renault na Rússia, incluindo a fábrica perto da capital que produzia os veículos dessa marca e da Nissan. O prefeito Sergei Sobyanin anunciou que a fábrica vai relançar a marca soviética Moskvich.

A direção da Renault já havia anunciado que iria incluir em suas contas do primeiro semestre um encargo de 2,2 bilhões de euros (em torno de US$ 2,3 bilhões) como resultado dessa venda.

Impacto da guerra

Em 2008, a Renault havia se comprometido com a Avtovaz para se tornar acionista majoritária em 2014, sob a direção de Carlos Ghosn.

Depois de fortes investimentos e da transferência de tecnologia para a Dacia, marca de baixo custo da Renault, a Avtovaz começou a dar lucro.

Acordos feitos nesta segunda feira mantêm a possibilidade de que a Renault volte a adquirir a filial russa por seis anos.
"Hoje tomamos uma decisão difícil, mas necessária, e estamos fazendo uma escolha responsável para com nossos 45.000 funcionários na Rússia, preservando, ao mesmo tempo, o rendimento do Grupo e nossa capacidade de voltar ao país no futuro, em um contexto diferente", afirmou o CEO da Renault, Luca de Meo, em um comunicado de imprensa.

A Avtovaz produz veículos em sua gigantesca fábrica de Togliatti (sudoeste), que emprega 35.000 pessoas.

Com o conflito na Ucrânia, o mercado russo entrou em colapso, e as fábricas do grupo passaram a operar com capacidade reduzida, parando de funcionar em alguns casos, devido à escassez de componentes pela imposição de sanções ocidentais ao país.

Últimas Notícias

Ver mais
Transnístria, região separatista da Moldávia, pede 'proteção' da Rússia
Mundo

Transnístria, região separatista da Moldávia, pede 'proteção' da Rússia

Há 6 horas

Funeral de Navalny acontecerá na sexta-feira em Moscou
Mundo

Funeral de Navalny acontecerá na sexta-feira em Moscou

Há 11 horas

Israel e Hamas indicam que não há acordo iminente, após Biden sinalizar trégua em breve
Brasil

Israel e Hamas indicam que não há acordo iminente, após Biden sinalizar trégua em breve

Há 13 horas

Guerra atrapalha conserto de cabo submarino danificado no Mar Vermelho
Mundo

Guerra atrapalha conserto de cabo submarino danificado no Mar Vermelho

Há 13 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais