Negócios

Rede de hotéis Marriott quer atrair quem está cansado do home office

Estratégia busca oferecer um novo cenário para quem está trabalhando de casa

Hotel Marriott: em busca do hóspede em horário de trabalho  (Kyodo News/Getty Images)

Hotel Marriott: em busca do hóspede em horário de trabalho (Kyodo News/Getty Images)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 27 de outubro de 2020 às 17h21.

Última atualização em 27 de outubro de 2020 às 18h32.

Empresas hoteleiras lançam iniciativas para atrair hóspedes na tentativa de salvar um ano historicamente ruim para o setor.

Mais de 2.000 hotéis do sistema Marriott International começarão a permitir que os hóspedes façam check-in às 6 horas e permaneçam até as 18 horas do dia seguinte, uma promoção destinada a trabalhadores remotos que buscam uma mudança de cenário de suas casas.

Outros hotéis Marriott promovem iniciativas semelhantes, incluindo uma que oferece tarifas com desconto para hóspedes que desejam um quarto durante o dia, mas não durante a noite. Outro programa promove resorts como locais onde pais podem trabalhar enquanto funcionários do hotel supervisionam atividades para os filhos.

“As pessoas estão cansadas de ficar em casa”, disse Peggy Fang Roe, diretora global de experiência de clientes da Marriott, a maior empresa hoteleira do mundo. “Querem a possibilidade de estar em um espaço diferente e também querem estar seguros. Trabalhar em um quarto de hóspedes é o melhor dos dois mundos.”

No final do ano mais sombrio da história da indústria hoteleira moderna, há poucas desvantagens em tentar. Nos Estados Unidos, a receita por quarto disponível, uma medida de ocupação e preço, caiu 47% em setembro em relação ao ano anterior, de acordo com o provedor de dados de hospedagem STR. Os resultados foram ainda piores nos maiores mercados dos Estados Unidos, dando a proprietários e operadoras motivos para ser criativos.

Escritórios improvisados

Hilton Worldwide Holdings e Hyatt Hotels também tentam promover quartos como escritórios improvisados. Já em março, quando a pandemia de covid-19 paralisou os Estados Unidos, hotéis buscaram novas fontes de negócios, oferecendo alojamentos baratos para equipes médicas e socorristas, ou transformando quartos em dormitórios temporários para universitários.

A Marriott diz que pesquisas mostram que funcionários de escritório veem os quartos de hotel como uma forma de aliviar o estresse e as distrações do trabalho em casa, e que alguns de seus clientes corporativos estudam a possibilidade de oferecer quartos aos funcionários.

Quantificar a demanda para esses tipos de esforço é difícil, mas Bjorn Hanson, consultor do setor de hospedagem, disse que suas pesquisas mostram que hotéis em grandes mercados encontram certa demanda, pelo menos para diárias. Além do aluguel de quartos em si, as iniciativas podem ajudar empresas hoteleiras a estreitar o relacionamento com clientes de contas corporativas, disse.

Acompanhe tudo sobre:HotéisMarriott

Mais de Negócios

Startup brasileira quer usar hemogramas e IA para acelerar diagnóstico do câncer de mama

A rota da KLM para transformar viagens em conexões inesquecíveis

Lembra dela? TecToy volta a apostar no mercado game e lança computador, acessórios e até jogos

Giovanna Antonelli, Caio Castro, Deborah Secco e mais: conheça franquias com sócios famosos

Mais na Exame