Negócios

Quer ser seu próprio chefe? Veja 5 dicas para começar a empreender com segurança

Abrir o próprio negócio está nos planos de seis em cada 10 brasileiros; veja algumas práticas que podem ajudar a mitigar os riscos do processo

 (Hispanolistic/Getty Images)

(Hispanolistic/Getty Images)

Isabel Rocha
Isabel Rocha

Jornalista

Publicado em 10 de junho de 2024 às 09h46.

Última atualização em 13 de junho de 2024 às 11h59.

Busca por autonomia, ideias inovadoras, vontade de fazer a diferença ou perpetuar uma tradição de família... Seja qual for a motivação, fato é que seis em cada 10 brasileiros tem o sonho de empreender.

Para ter ideia, de acordo com a edição mais recente da pesquisa Monitor Global de Empreendedorismo (Global Entrepreneurship Monitor – GEM), realizada pelo Sebrae em parceria com a Associação Nacional de Estudos em Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas (Anegepe), o desejo de abrir o próprio negócio só fica atrás do de “viajar pelo Brasil” e “comprar a casa própria” na lista de maiores sonhos dos brasileiros.

Mas por mais atraente que a ideia de ser seu próprio chefe possa ser, a verdade é que o caminho até lá também pode ser desafiador. E costuma gerar inseguranças especialmente naqueles que estão começando um negócio do zero pela primeira vez.

Mas, afinal, é possível empreender sem correr riscos?

O empreendedorismo implica na introdução de ideias, produtos ou serviços inovadores no mercado – e a inovação, por natureza, sempre está acompanhada de incertezas.

Em outras palavras: empreender sempre estará atrelado a algum nível de risco. Mas isso não significa que não existem maneiras de mitigar os riscos para começar um negócio de maneira mais segura e sustentável. Veja algumas as principais abaixo.

1. Construa um plano de negócios detalhado (mas esteja aberto a mudanças)

A elaboração de um plano de negócios detalhado é o primeiro passo para reduzir as chances de erro e tornar a sua jornada no empreendedorismo mais confortável. Isso porque, se bem construído, o documento funcionará como uma espécie de mapa que guiará todas as etapas do desenvolvimento e operação da empresa, orientando decisões e ajudando a evitar desvios e desperdícios de recursos.

Para isso, o plano de negócios deve ser o mais completo possível. Procure incluir informações detalhadas sobre as análises de mercado, o público-alvo, as estratégias de marketing, estrutura de custos, fontes de receita e as projeções financeiras.

Aula gratuita: aprenda a abrir e administrar a sua própria franquia com o MAIOR especialista desse mercado no Brasil, clique aqui e participe gratuitamente 

Mas vale lembrar que o mercado é dinâmico e que novos desafios e oportunidades surgem a todo momento. Nesses casos, a flexibilidade para mudar de rota é uma qualidade valiosa que pode ajudar o seu negócio prosperar.

“É preciso adotar uma postura que, em vez de evitar o risco, aceite os desafios e esteja aberta a aprender com possíveis ‘fracassos’”, diz um artigo sobre atitude empreendedora publicado pelo Sebrae.

2. Estude profundamente o mercado em que deseja atuar

Antes de colocar seus produtos ou serviços na rua, separe tempo para realizar uma pesquisa profunda sobre o setor. Identifique seus concorrentes, entenda as necessidades e desejos do público-alvo e fique atento às tendências e mudanças no mercado.

Normalmente, os empreendedores iniciantes decidem quanto cobrar por seus produtos usando como base o que já é praticado no mercado, por meio dessa análise minuciosa da concorrência. Mas outros pontos (como margem de lucro e a estratégia por trás de cada produto) também devem ser analisados para que o negócio seja sustentável a longo prazo.

3. Considere investir em uma franquia

Para quem está começando a empreender, investir em uma franquia costuma ser uma excelente opção. Esse modelo de negócio proporciona uma sensação de segurança, pois apresenta uma estrutura já testada e comprovada, o que reduz significativamente os riscos associados a um novo empreendimento.

Desde o treinamento inicial até o suporte contínuo em marketing e operações, os franqueados recebem orientação da franqueadora em cada etapa.

Além de trazer mais segurança para aquém está começando, esse acompanhamento constante ajuda a evitar erros comuns e aumenta as chances de sucesso, o que é especialmente benéfico para os empreendedores de primeira viagem.

Masterclass gratuita: veja o passo a passo para abrir uma franquia com investimento inicial a partir de R$ 10 mil

4. Invista na sua rede de contato

Pode parecer clichê, mas o networking é mesmo essencial para o sucesso de qualquer negócio – e isso é especialmente verdade para quem está começando do zero.

Caso você ainda não possua uma rede de contatos estratégicos, considere participar de eventos, feiras e grupos de interesse no setor. Essas são ótimas oportunidades não apenas de trocar experiência com outros empreendedores, mas também de construir relacionamentos com fornecedores, potenciais clientes e até mesmo de conhecer mentores que podem oferecer orientação e suporte ao longo da sua jornada empreendedora.

5. Capacite-se continuamente

Ainda que não seja necessário ter formação técnica ou acadêmica para abrir uma empresa, a atualização constante é fundamental para se manter competitivo. Afinal, em um mundo em constante transformação, estar por dentro das novas tendências de mercado, sem dúvidas, será um grande diferencial na hora de tocar o negócio.

Participe de cursos, workshops e seminários relacionados à sua área de atuação e ao empreendedorismo em geral sempre que possível e não deixe de explorar livros, podcasts e outros conteúdos gratuitos sobre o assunto disponíveis na internet.

  • Este conteúdo é apresentado por Faculdade EXAME
Acompanhe tudo sobre:branded marketing

Mais de Negócios

Já reiniciou? Após mais de R$ 22 mi, startup do 'modem inteligente' começa a operar fora do país

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Os engenheiros da saúde: como essa startup quer evitar perdas financeiras nos hospitais

Mais na Exame