Acompanhe:
seloNegócios

Embalagem anticovid? Sim, isso existe - e deve estar à venda em junho

A Irani Papel e Embalagem, uma das líderes do setor no país, desenvolveu a embalagem em parceria com a startup Nanox; 150 toneladas devem ser vendidas inicialmente

Modo escuro

Continua após a publicidade
Investimento em embalagens anti-covid: empresa espera ganhar espaço no mercado brasileiro (Irani Papel e Embalagem/Divulgação)

Investimento em embalagens anti-covid: empresa espera ganhar espaço no mercado brasileiro (Irani Papel e Embalagem/Divulgação)

K
Karina Souza

Publicado em 2 de junho de 2021 às, 16h33.

Última atualização em 2 de junho de 2021 às, 16h58.

A covid-19 trouxe novos patamares de limpeza para os brasileiros. O medo de contrair o coronavírus fez com que muitas marcas se esforçassem para inovar e desenvolver produtos que inativassem o vírus. Foi o caso de sprays que tiram o coronavírus da roupa, películas que repelem o coronavírus em superfícies e, agora, a Irani Papel e Embalagem vai trazer ao mercado uma embalagem com tecnologia antiviral, antibacteriana e antifúngica, capaz de inativar o vírus da covid-19 em até cinco minutos após o contato, com eficácia superior a 99,99%.

Para garantir esses resultados, o papelão recebe micropartículas de prata no momento em que é fabricado. Esse componente, já usado anteriormente em tecidos, garante proteção contra a covid-19 porque rompe a “barreira” do vírus, causando a inativação dele e, portanto, diminuindo o risco de contrair a doença.  Chegar nesse produto foi uma iniciativa da área de Pesquisa & Desenvolvimento em parceria com a startup Nanox, especializada no desenvolvimento de produtos anti-covid.

Criada em 2004, a Nanox é uma das principais empresas do mundo em produzir e comercializar aditivos bactericidas e antivirais a partir de nanotecnologia. "Já possuíamos uma longa história na produção de aditivos para diversos segmentos, no entanto, antes da pandemia de Covid-19, o carro chefe da empresa eram aditivos para aplicação em plásticos e embalagens para maior durabilidade de produtos alimentícios", diz Gustavo Simões, CEO da Nanox.

Na etapa final, mais testes foram desenvolvidos pela empresa Quasar Bio, especializada em ensaios com SARS-CoV-2 e realizados em laboratório de biossegurança de nível 3 (NB3) do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP). A empresa não divulga o valor investido.

A partir de junho, serão vendidas 150 toneladas de caixas de embalagens de papelão “anti-covid” por mês. Atualmente, a empresa vende mensalmente 14 mil toneladas de caixas e chapas de papelão ondulado mensalmente a clientes como Frimesa, BRF, Aurora, JBS, Seara e Pandurata.

“A tiragem inicial é bem menor porque já estamos operando com toda a nossa capacidade produtiva e não podemos comprometer o que já está contratado a partir desse novo produto. Temos as melhores estimativas de vendas e, caso a demanda ultrapasse esse volume, vamos ver quais ações tomar para atender aos clientes”, afirmam Jair Bilibio, gerente comercial de Embalagem da Irani Papel e Embalagem, e Robert Friesen, gerente de Pesquisa & Desenvolvimento da empresa.

Em relação aos preços, a empresa afirma que o papel antiviral terá um acréscimo de 15% em comparação à embalagem tradicional, sem a tecnologia. Ainda assim, isso não deve impedir a aceitação por parte do mercado. O tempo de fabricação é similar ao das embalagens comuns, o que viabiliza a produção em larga escala mesmo sem necessidade de adaptar a fábrica atual. 

A ideia, agora, é ver como as novas embalagens deverão chamar a atenção desses (e de futuros) clientes. “Fizemos o lançamento para a equipe de vendas na última sexta-feira e estamos conversando com interessados. Temos uma receptividade boa desse produto, principalmente com o setor alimentício, com o qual já trabalhamos. Mas fora dele, com empresas de e-commerce, já temos conversas e acreditamos que exista um potencial positivo”, afirma Robert Friesen, gerente de Pesquisa & Desenvolvimento da Irani.

Embalagens devem ser colocadas à venda ainda em junho, segundo a empresa (Irani Papel e Embalagem/Divulgação)

Marcas e produtos "anti-covid"

No início do último mês, o Center for Disease Control (CDC), autoridade de saúde dos Estados Unidos, revisou as recomendações de desinfecção de superfícies. Apesar de a transmissão do coronavírus por contato ser significativamente menor do que pelo ar, segundo o órgão, a desinfecção de supercíes e objetos ainda é recomendada para reduzir (ainda mais) o risco de infecção por covid-19.

Diante dessas recomendações -- e das incertezas em relação ao vírus --, fato é que empresas de diferentes setores encontram no Brasil um terreno fértil para se desenvolverem com soluções anti-covid. Uma matéria da Exame mostrou que, entre elas, está a Anjo, uma fabricante de tintas fundada em Criciúma, no sul de Santa Catarina, há 35 anos. Em parceria com pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina, a Anjo lançou recentemente um verniz chamado Nanoblock que usa nanotecnologia para eliminar bactérias e vírus, incluindo o novo coronavírus. A promessa do produto é de ser eficiente numa porção de superfícies – seja em paredes de imóveis ou em sacolas de supermercado.  O produto deve contribuir com o faturamento da empresa, que deve ser 16% maior em 2021.

Ainda no Brasil, a fabricante de cosméticos Dux Grupo, de Itupeva, no interior paulista praticamente dobrou o faturamento em 2020 com o lançamento de produtos anti-covid, além de aumentar o quadro de funcionários em 50%. 

 

Últimas Notícias

Ver mais
Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual
Brasil

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual

Há uma semana

Qual a diferença entre dengue e covid-19? Veja os sintomas
Brasil

Qual a diferença entre dengue e covid-19? Veja os sintomas

Há 2 semanas

Novo vírus pode roubar clientes de 60 instituições financeiras no Brasil
Future of Money

Novo vírus pode roubar clientes de 60 instituições financeiras no Brasil

Há 3 semanas

MG e SC contrariam Ministério da Saúde e não exigem carteira de vacinação para matrícula escolar
Brasil

MG e SC contrariam Ministério da Saúde e não exigem carteira de vacinação para matrícula escolar

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais