Acompanhe:
seloNegócios

Temer cede a Coca-Cola e outras 59 fabricantes e abre mão de R$ 700 mi

Decreto muda a cobrança de imposto sobre o xarope de refrigerante de 60 empresas e desfaz medida adotada após a greve dos caminhoneiros

Modo escuro

Continua após a publicidade
Garrafas de Coca-Cola: Decreto de Temer diminui cobrança de imposto sobre o refrigerante (Regis Duvignau/Reuters)

Garrafas de Coca-Cola: Decreto de Temer diminui cobrança de imposto sobre o refrigerante (Regis Duvignau/Reuters)

M
Mariana Desidério

Publicado em 28 de setembro de 2018 às, 11h04.

Última atualização em 28 de setembro de 2018 às, 12h51.

São Paulo – A Coca-Cola e outras fabricantes de refrigerantes acabam de vencer uma batalha importante na guerra com o governo federal criada após a greve dos caminhoneiros. O presidente Michel Temer publicou hoje um decreto que muda a cobrança de imposto sobre o xarope de refrigerante e, na prática, diminui a carga tributária sobre essas empresas.

A disputa tem origem na greve dos caminhoneiros. Para ajudar a pagar o desconto no preço do diesel, o governo Temer mudou a cobrança de IPI sobre o xarope de refrigerante. A mudança na regra foi a seguinte: o xarope de refrigerante passou a pagar uma alíquota de 4% de IPI, ante os 20% que eram cobrados anteriormente. Aparentemente, portanto, é uma redução no imposto.

Porém, muitas companhias do setor, em especial as grandes, produzem esse xarope na Zona Franca de Manaus, com isenção de tributos. Então, os 20% de IPI que seriam cobrados dessas companhias na verdade tornavam-se créditos para elas.

O tema gerou pressão das grandes empresas sobre o governo, e chegou a circular a notícia de que a Coca-Cola ameaçava sair do país. Em entrevista a EXAME na época, a companhia negou.

Com o decreto de hoje, Temer cede às companhias, diminuindo a arrecadação com bebidas açucaradas. O produto tem sido o foco de grupos preocupados com o aumento da obesidade no mundo todo. Aumentar os impostos é justamente uma das medidas sugeridas pela Organização Mundial da Saúde para reduzir e prevenir a obesidade e doenças relacionadas.

Tubaínas vs. Coca-Cola

A decisão do presidente desagradou os pequenos fabricantes de bebidas, que se reuniram com Temer ainda essa semana para falar sobre o tema. Em nota, a Afrebras (Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil) afirma que o crédito recebido pelas companhias instaladas na Zona Franca de Manaus “produz um diferencial de concorrência no setor capaz de penalizar os pequenos fabricantes”.

“Não é a primeira vez que assistimos as gigantes do setor de bebidas influenciarem diretamente políticas tributárias que penalizam todo o setor. Temer promoveu equilíbrio tributário e concorrencial que o nosso setor, extremamente concentrado, precisava. Mas voltou atrás para beneficiar apenas duas empresas, as gigantes Coca-Cola e Ambev”, diz o presidente da Afrebras, Fernando Rodrigues de Bairros, no comunicado.

A associação ressalta que, com as novas alíquotas, o impacto negativo na arrecadação será de R$ 708 milhões, valor que não está previsto na Lei Orçamentária em tramitação no Congresso.

As grandes fabricantes de refrigerantes defendem-se dizendo que criam postos de trabalho na Zona Franca de Manaus. A Abir (Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e Bebidas Não Alcoólicas), entidade que reúne 60 fabricantes, dentre elas Coca-Cola, Pepsi e Ambev, afirma que há hoje 31 fabricantes de concentrados na região, responsáveis por 14 mil postos de trabalho.

A entidade diz ainda que o “regime de compensações tributárias da Zona Franca de Manaus, reconhecidamente bem sucedido como modelo de desenvolvimento regional, está disponível para empresas de todos os portes”. Segundo a associação, 90% do concentrado utilizado pelas indústrias brasileiras de refrigerantes vem da região.

EXAME procurou a Abir e a Coca-Cola para comentarem o decreto publicado hoje.

Em nota, a Abir afirmou que "reconhece a medida como uma tentativa do Governo Federal de amenizar parcialmente o grande impacto suportado pelo setor desde a inesperada e abrupta mudança de alíquota, de 20% para 4%". A entidade ressalta que a carga tributária do setor no Brasil é a maior da América Latina e considera que as novas alíquotas "demonstram uma decisão de bom senso".

 

Últimas Notícias

Ver mais
Vejo espaço para uma grande reforma administrativa, diz Michel Temer
Brasil

Vejo espaço para uma grande reforma administrativa, diz Michel Temer

Há 4 dias

Exclusivo: Com investimento de R$ 4 bilhões, Coca-Cola aumenta aposta no Brasil
Exame IN

Exclusivo: Com investimento de R$ 4 bilhões, Coca-Cola aumenta aposta no Brasil

Há 2 semanas

Carnaval em BH: Coca-Cola Femsa Brasil aposta na folia mineira para promover marcas
seloMarketing

Carnaval em BH: Coca-Cola Femsa Brasil aposta na folia mineira para promover marcas

Há 3 semanas

A estratégia da construtora Plaenge que dobrou vendas na pandemia e agora mira R$ 3 bilhões
seloNegócios

A estratégia da construtora Plaenge que dobrou vendas na pandemia e agora mira R$ 3 bilhões

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais