Presidente da Ryanair critica isolamento e prevê mil voos diários em julho

Ele criticou medidas como isolar passageiros por 14 dias ao chegar e deixar o assento do meio vazio nas aeronaves durante a pandemia de coronavírus

Para o presidente da companhia aérea de baixo custo Ryanair, Michael O'Leary, os voos e as viagens devem voltar em breve. Apostando em um retorno do turismo, a companhia prevê voltar a operar mais de 1.000 voos por dia a partir de julho. 

Com sede na Irlanda, a Ryanair irá tornar máscaras e medição de temperatura obrigatórios para passageiros e tripulantes e irá remover pagamentos em dinheiro dentro das aeronaves para compra de petiscos. Para evitar filas nos corredores das aeronaves, os passageiros precisarão pedir permissão aos comissários para usar o banheiro.

Apesar dessas precauções, o presidente da companhia, tem sido crítico a certas medidas de isolamento. A crítica mais recente é em relação às novas regras de movimentação no Reino Unido. Passageiros que chegam ao país devem ficar 14 dias isolados na acomodação ou em casa ao chegar à região.

"É uma medida não implementável e impraticável, então eu acredito que as pessoas vão, em sua maioria, ignorá-la, o que não é bom", disse O'Leary em entrevista à emissora BBC.

De acordo com ele, essa medida não irá impedir que famílias inglesas viajem para o sul durante férias de verão, para países como Espanha ou Portugal. "As pessoas estão confinadas desde o meio de março. As pessoas estão realmente ansiosas para sair e, eu acho, ir para o exterior, para o sol", disse ele. 

A companhia aérea anunciou hoje que pretende retomar 40% de sua agenda normal de voos a partir do dia 1° de julho, decisão sujeita às flexibilizações de viagens entre os países da União Europeia e às medidas de segurança e saúde dos aeroportos.

Com a retomada das viagens, a empresa deverá operar quase 1.000 voos por dia e restaurar 90% de sua malha aérea — por enquanto, a empresa está operando apenas 30 voos diários. 

O presidente também criticou as determinações do governo para que as companhias aéreas deixassem o assento do meio livre para diminuir o risco de transmissão. Ele afirmou, em abril, que, se essa decisão fosse tomada pelo governo da Irlanda, a companhia aérea exigiria indenização pelos assentos vazios.

Na ocasião, ele detalhou planos para voltar a voar entre países europeus em julho com até 80% dos voos, mas que esses planos poderiam ser repensados se houvesse "alguma medida de distanciamento social inteiramente ineficiente", segundo a visão do executivo. "Se os assentos do meio estiverem vazios, não vamos voltar a voar", disse em entrevista ao Financial Times.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.