Negócios

Por que Abílio Diniz vendeu a operação de lácteos da BRF

Ao se desfazer de marcas como Batavo e Elegê, companhia quer seguir a missão de dobrar margem em poucos anos

Batavo: marca é uma das que agora pertence à dona da Parmalat (VIDA SIMPLES)

Batavo: marca é uma das que agora pertence à dona da Parmalat (VIDA SIMPLES)

Tatiana Vaz

Tatiana Vaz

Publicado em 4 de setembro de 2014 às 15h02.

Última atualização em 13 de março de 2017 às 14h38.

São Paulo – A decisão da venda da operação de lácteos pela BRF para a Parmalat por 1,8 bilhão de reais, anunciada ontem e antecipada por EXAME, já estava nos planos da BRF há tempos.

A iniciativa faz parte de um plano estratégico traçado desde a chegada de Abílio Diniz à presidência do conselho de administração da BRF, em abril de 2013, com um objetivo claro: dobrar a margem do negócio.

A missão maior, e não declarada, é fazer com que os papéis da empresa cresçam no mesmo ritmo e cheguem a 100 reais até 2017, segundo matéria da edição de 1063 de EXAME.

Resultado da fusão da Sadia com a Perdigão, a BRF trazia uma margem estimada de 10% no total de suas operações, recheadas de regras equivocadas, na visão dos novos gestores.

Pagamento de bônus mesmo sem resultados atingidos, custos elevados de produções e operações com vendas pouco atraentes seriam algumas delas.

A operação de lácteos, que inclui as marcas Batavo e Elegê com refrigerados, queijos e leite longa vida, era uma das que exigia mudanças.

Isso porque a produção tinha um custo alto perto da margem que trazia e do risco de negócio, incluindo a validade menor dos lácteos comparado aos demais itens do portfólio da empresa.

A parte logística era outro desafio. Parte das 11 unidades lácteas da BRF – que incluem fábricas em Bom Conselho (PE), Carambeí (PR) e Santa Rosa (RS) – ficavam distantes dos centros comerciais dos produtos.

Foco nos fatiados

De acordo com analistas de mercado, o foco da BRF agora passa a ser – apenas – Sadia e Perdigão.

A área de produtos fatiados das duas marcas teria, na visão do novo comando, um potencial maior para ser explorado.

Seguir o passo de varejistas fora do país, com a venda de frios já fatiados para supermercados, poderia render uma margem maior, além de descartar entraves com a Anvisa.

Acompanhe tudo sobre:Abilio DinizAlimentaçãoAlimentos processadosBatavoBilionários brasileirosBRFCarnes e derivadosEmpresáriosEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas italianasLaepLaticíniosParmalatPersonalidadesSadia

Mais de Negócios

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Baré, Fruki, Coroa, Jesus: conheça os refrigerantes de guaraná que bombam pelos estados do Brasil

De gravadora a companhia aérea: conheça o bilionário com R$ 10 bi de fortuna que inspira a Cimed

Mais na Exame