Negócios

Por que a Microsoft e outras empresas optaram pelo trabalho de meio-período

Cada vez mais popular na Holanda, trabalho flexível tem ajudado as empresas a economizar dinheiro e a reter talentos

Sede holandesa da Microsoft é uma das empresas que mais incentivam o trabalho em meio-período (Wikimedia Commons)

Sede holandesa da Microsoft é uma das empresas que mais incentivam o trabalho em meio-período (Wikimedia Commons)

DR

Da Redação

Publicado em 5 de janeiro de 2011 às 05h24.

São Paulo – Geralmente associado a mães, o serviço de meio-período está passando por um processo de expansão na Holanda, de acordo com o New York Times. Pais de família e mulheres sem filhos estão optando por trabalhar menos horas por semana ou concentrar sua carga horária em três ou quatro dias para equilibrar vida pessoal e profissional. A sede holandesa da Microsoft é um exemplo de empresa que não apenas permite, mas também incentiva o trabalho mais flexível.

Segundo o NYT, 95% dos funcionários da filial da Microsoft no país trabalham remotamente, em casa, pelo menos uma vez por semana e 25% ficam em casa por quatro dias na semana. Os encontros presenciais dependem dos grupos de trabalho. Enquanto alguns se reúnem duas vezes a cada sete dias, outros têm conversas pessoalmente uma vez por trimestre. Grande parte do trabalho é feito online, por meio de conferências.

Com menos pessoas no escritório, as empresas estão diminuindo seus espaços para funcionários, gerando uma economia de tempo no trânsito, combustível e papel. A Microsoft afirma que, em 2010, conseguiu cortar cerca de 900 toneladas de emissões de gás carbônico, devido ao trabalho flexível e de meio-período. Além disso, as empresas que dão a opção ao profissional de ficar menos tempo no escritório encontraram uma nova forma de reter talentos, que, antes, poderiam abandonar o cargo para ficar mais tempo com a família.

A vida familiar de homens e mulheres também é afetada positivamente com a adoção de trabalho em meio-período nas empresas. Na Holanda, a expressão “daddy day” (dia do papai) se tornou comum, já que muitos pais preferem reorganizar suas horas semanais de trabalho para tirar um dia de “folga” para ficar com seus filhos.

Na reportagem, o New York Times afirma que 23% dos homens holandeses reduziram sua carga horária para ter mais tempo para se dedicar à vida pessoal, enquanto na União Europeia e nos Estados Unidos esse número é 10%. Já a taxa dos que fazem o serviço de uma semana inteira em quatro dias é de 9%, na Holanda.

Entre as mulheres, a situação é ainda mais presente: 75% das holandesas trabalham atualmente em meio-período. Entre as da União Europeia, o número cai para 41% e nos Estados Unidos, para 23%. Esse quadro, no entanto, faz com que 70% das mulheres na Holanda ganhem menos do que um salário mínimo, tornando-as financeiramente dependentes. Mesmo assim, 96% delas não abririam mão do tempo com a família em troca de mais trabalho e, consequentemente, mais dinheiro.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas americanasempresas-de-tecnologiaGestão de pessoasgestao-de-negociosMicrosoftRecursos humanos (RH)ResultadoTecnologia da informação

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame