Negócios

PMEs digitais faturam R$ 945 milhões no primeiro trimestre

No total, foram vendidos 15 milhões de produtos, mostra levantamento realizado pela Nuvemshop

Isabela Rovaroto
Isabela Rovaroto

Repóter de Negócios

Publicado em 15 de abril de 2024 às 16h28.

Última atualização em 26 de abril de 2024 às 12h01.

Nos três primeiros meses do ano, as PMEs online movimentaram R$ 945 milhões, crescimento de 34% na comparação com o mesmo período de 2023, quando alcançaram um total de R$ 703 milhões. É o que aponta levantamento realizado pela plataforma para criação de lojas online Nuvemshop.

“As datas comerciais do primeiro trimestre, como o Carnaval, a Semana do Consumidor e a Páscoa, foram grandes oportunidades para movimentar o varejo em um período que não é o mais forte em todos os segmentos”, diz Marcela Orlandi, gerente sênior de Sucesso do Cliente da Nuvemshop.

Na análise foram consideradas as vendas realizadas de 1 de janeiro a 31 de março de 2023 e 2024 da base de lojistas brasileiros da Nuvemshop.

Quais segmentos mais cresceram

No Brasil, o total de produtos vendidos foi de 15 milhões, 16% a mais que o registrado em 2023. Os segmentos que mais se destacaram foram:

  • Moda (R$ 303,5 milhões)
  • Saúde & Beleza (R$ 83 milhões)
  • Acessórios (R$ 62 milhões)
Quer dicas para decolar o seu negócio? Receba informações exclusivas de empreendedorismo diretamente no seu WhatsApp. Participe já do canal EXAME Empreenda

Quais estados mais venderam

O ranking dos três estados que mais venderam no período é composto por:

  • São Paulo (R$ 444 milhões)
  • Minas Gerais (R$ 89 milhões)
  • Santa Catarina (R$ 78 milhões)

Já em relação aos meios de pagamento, o PIX quase representa a metade de todas as compras efetuadas, atingindo 44% do total. Ele ficou atrás apenas do cartão de crédito, que representa 46% dos pedidos pagos.

Acompanhe tudo sobre:Pequenas empresas

Mais de Negócios

Além da sala de aula: Sestini quer ser referência em viagens e faturar mais de R$ 200 milhões

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Polishop

Fernando Goldsztein: Toda a ajuda é pouca para os atingidos pelas enchentes do RS

Rodízio caro: rede de restaurantes Red Lobster pede recuperação judicial com dívida de US$ 1 bilhão

Mais na Exame