Negócios

Petrobras fecha acordo para venda de nafta a Braskem

O contrato tem prazo de cinco anos, a um preço 102,1% acima da referência da cotação da nafta no mercado europeu


	Petrobras: a nafta é o principal insumo petroquímico para a fabricação dos produtos de segunda geração do setor
 (Paulo Whitaker/Reuters)

Petrobras: a nafta é o principal insumo petroquímico para a fabricação dos produtos de segunda geração do setor (Paulo Whitaker/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de dezembro de 2015 às 10h42.

Rio de Janeiro - A Petrobras aprovou e assinou nessa quarta-feira (23) novo contrato de longo prazo com a Braskem, para o fornecimento de 7 milhões de toneladas por ano de nafta petroquímica.

Segundo nota divulgada pela estatal, o contrato tem prazo de cinco anos, a um preço 102,1% acima da referência da cotação da nafta no mercado europeu, a ARA (Amsterdã, Roterdã e Antuérpia).

Foi acordado ainda dispositivo que permite, a partir de 2018, a renegociação das condições comerciais condicionada a ocorrências de mercado pré-determinadas.

O valor do preço a ser cobrado pela Petrobras pelo fornecimento da nafta petroquímica vinha sendo alvo de polêmica nos últimos cinco anos, período em que as empresas chegaram a assinar cinco contratos aditivos ao anterior para que o fornecimento do insumo não fosse interrompido.

A nafta é o principal insumo petroquímico para a fabricação dos produtos de segunda geração do setor, como o plástico, o solvente e as resinas.

Acompanhe tudo sobre:acordos-empresariaisBraskemCapitalização da PetrobrasCombustíveisEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasEuropaIndústria do petróleoPetrobrasPetróleoQuímica e petroquímica

Mais de Negócios

Eles passaram a vender lanche na garagem durante a pandemia. Agora fazem R$ 6 milhões com hambúrguer

Gestor consegue identificar comportamentos arriscados e evitar acidentes, diz VP da Geotab

O Brasil pode exportar peças para veículos? Essa é a aposta da Bosch após vender R$ 9,8 bilhões aqui

Startup do Amapá capta R$ 3 milhões e já tem R$ 30 milhões para emprestar na Amazônia

Mais na Exame