Acompanhe:
seloNegócios

Petrobras avalia entrar na ETH-Brenco

Estatal estuda crescer na área de etanol por meio de uma parceria com o grupo Odebrecht também na área de bioenergia

Modo escuro

Continua após a publicidade
Petrobras quer investir no setor de bioenergia para evitar desabastecimento de etanol (.)

Petrobras quer investir no setor de bioenergia para evitar desabastecimento de etanol (.)

T
Thiago Bronzatto

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 04h10.

SÃO PAULO - O anúncio da fusão dos ativos da ETH Bioenergia com a Companhia Brasileira de Energia Renovável (Brenco), anunciada nesta quinta-feira (18/02), prenuncia a consolidação do setor sucroalcooleiro esperada para este ano. Segundo apurou EXAME com fontes ligadas ao ramo petroquímico, a Petrobras estaria interessada em deter uma participação na nova ETH, empresa avaliada em 7 bilhões de reais. Desde o ano passado, executivos da estatal brasileira e do grupo Odebrecht têm discutido a melhor maneira de viabilizar essa parceria, que pode fortalecer a posição da ETH-Brenco de líder mundial em produção de energia renovável. "Somos uma noiva muito linda e queremos ser cotejada pelas maiores empresas petrolíferas. Sem dúvida, a Petrobras seria um excelente pretendente. Mas, ainda não há acordos formais", afirmou a EXAME José Carlos Grubisich, presidente da nova ETH.
 
    <hr>                                  <p class="pagina"> </p>

Sabendo que o segmento de energia renovável tem passado por um processo intenso de internacionalização, a Petrobras quer garantir a sua parcela de participação no mercado doméstico para frear a expansão de investimentos estrangeiros no etanol brasileiro. Desde o ano passado, a americana Bunge incorporou o Grupo Moema, a francesa Louis Dreyfus adquiriu a Santelisa Vale e a anglo-holandesa Shell propôs a criação de uma joint venture com a Cosan.

"Todo mundo sabe que a Petrobras ficou mordida com a entrada da Shell no ramo de biocombustível", afirma Reichstul. "A estatal não assistirá a consolidação desse setor passivelmente", completa. Para a Petrobras, estar bem posicionada nesse setor é uma forma de conter o avanço estrangeiro no mercado local e também de se preparar para o possível crescimento do mercado global de etanol. Por isso, a ETH-Brenco acabou se tornando uma peça estratégica.

O surgimento de uma nova companhia produtora de bioenergia veio num momento importante para a estatal, que pretende ampliar a sua carteira de operações em etanol. Desde o ano passado, já está aprovado um orçamento de quase 5 bilhões de reais de investimentos no ramo de produção de energia renovável. O objetivo declarado da Petrobras é dominar 30% da produção nacional de biocombustível, para evitar problemas como os que têm ocorrido com o desabastecimento devido à quebra da safra de cana-de-açúcar provocada pelo excesso de chuva.

A Petrobras Biocombustível, subsidiária da estatal, nega o processo de negociação com o grupo Odebrecht. Mas a primeira investida da petrolífera no segmento - a compra de 40,4% das ações da usina mineira Total Agroindústria Canavieira no fim do ano passado - mostra o interesse da companhia em estender a sua participação na produção de etanol. Segundo fontes ligadas ao governo, há mais cinco projetos de fusão no setor sucroalcooleiro sendo avaliados pela estatal. (Continua)

    <hr>                                                                <p class="pagina"> </p>

Mas o fator determinante da participação da estatal na ETH-Brenco é o vínculo antigo estabelecido com a Odebrecht. É provável que seja replicado o mesmo modelo de negócio utilizado na aquisição da petrolífera Quattor no começo deste ano. Nessa transação, a Petrobrás ficou com 49% das ações da Quattor, enquanto a Braskem, do grupo Odebrecht, abocanhou 51% da fatia total do bolo.

Dessa mesma forma, a estatal brasileira pretende articular a sua participação ativa na ETH-Brenco, mas sem se tornar sócia majoritária. Se seguir a mesma lógica da Braskem-Quattor, em que durante meses ouviram-se especulações de "agora essa operação sai", o mercado deverá se preparar para um longo filme de romance, em que o casamento entre ETH e Petrobras, segundo a metáfora de Grubisich, ficará para as cenas finais.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Petróleo inicia semana em queda com tensões no Oriente Médio
seloMercados

Petróleo inicia semana em queda com tensões no Oriente Médio

Há 3 horas

SouthRock aceita proposta indicativa e Zamp fica mais perto de comprar Starbucks 
Exame IN

SouthRock aceita proposta indicativa e Zamp fica mais perto de comprar Starbucks 

Há um dia

Conselho da Petrobras propõe pagamento de 50% dos dividendos extraordinários
seloMercados

Conselho da Petrobras propõe pagamento de 50% dos dividendos extraordinários

Há 2 dias

Análise: Petz, Cobasi e o garoto que vendeu o cachorro por R$ 1 milhão 
Exame IN

Análise: Petz, Cobasi e o garoto que vendeu o cachorro por R$ 1 milhão 

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais