Negócios

Peloton corta 15% do quadro de funcionários e CEO renuncia

Espera-se que as despesas anuais sejam reduzidas em mais de US$ 200 milhões até 2025

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 2 de maio de 2024 às 09h20.

O CEO da Peloton, Barry McCarthy, deixou o cargo após a empresa decidir cortar 15% de sua força de trabalho (algo em torno de 400 empregos) para enfrentar a queda no pós-pandemia na demanda por seus equipamentos fitness. "Simplesmente não tinha outra forma de alinhar despesas com receitas”, falou a companhia em comunicado.

A Peloton oferece bicicletas e esteiras ergométricas combinadas a um app de treinamentos online completo.

Barry McCarthy, executivo que passou por Spotify e Netflix, vai se tornar um conselheiro estratégico da Peloton até o final do ano.

A presidente do Peloton, Karen Boone, e o diretor Chris Bruzzo atuarão como co-CEOs interinos. Além disso, a empresa nomeou o diretor Jay Hoag como presidente do conselho. A empresa já começou o processo para contratar um novo CEO.

As ações da empresa subiram 8% no pré-mercado depois dos investidores entenderem que as medidas visam realinhar a estrutura de custos da Peloton com o tamanho atual de seus negócios. Espera-se que as despesas anuais sejam reduzidas em mais de US$ 200 milhões até o final do ano fiscal de 2025.

“Esta reestruturação posicionará a Peloton para um fluxo de caixa livre positivo e sustentado, ao mesmo tempo que permitirá que a empresa continue a investir em software, hardware e inovação de conteúdo, melhorias na experiência de suporte aos membros e otimizações nos esforços de marketing para expandir o negócio”, disse a empresa.

McCarthy assumiu o comando da Peloton em fevereiro de 2022 no lugar do fundador John Foley. Passou os últimos dois anos reestruturando o negócio e trabalhando para fazê-lo voltar a crescer.

Assim que assumiu, começou a implementar demissões em massa para dimensionar corretamente a estrutura de custos da Peloton, fechando showrooms chamativos da empresa e implementando novas estratégias destinadas a aumentar o número de associados.

Ao contrário do fundador do Peloton, McCarthy redirecionou a atenção da Peloton para seu aplicativo como um meio de capturar membros que talvez não tenham condições de pagar pelas bicicletas ou esteiras da empresa, mas que poderiam estar interessados em assistir às aulas digitais.

Acompanhe tudo sobre:BelezaFitness

Mais de Negócios

Os engenheiros da saúde: como essa startup quer evitar perdas financeiras nos hospitais

IBM aposta em padrões abertos para incentivar o uso em escala da IA

Como a Renova Invest se mantém entre as melhores assessorias há 5 anos

Para além da Heineken na hora do aperto: o Rappi Turbo quer virar o seu próximo mercadinho de bairro

Mais na Exame