Negócios

Passageiros da Itapemirim protestam por cancelamentos em Guarulhos

O aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, teve imagens de tumultos e protestos, com passageiros que não conseguiram embarcar. Companhia aérea da Itapemirim paralisou operações

Tumulto em Guarulhos após cancelamento dos voos da Itapemirim: empresa anunciou paralisação na noite de sexta-feira, 17 (WILLIAN MOREIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/Estadão Conteúdo)

Tumulto em Guarulhos após cancelamento dos voos da Itapemirim: empresa anunciou paralisação na noite de sexta-feira, 17 (WILLIAN MOREIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/Estadão Conteúdo)

Drc

Da redação, com agências

Publicado em 18 de dezembro de 2021 às 12h46.

Última atualização em 18 de dezembro de 2021 às 12h52.

Passageiros da ITA, do grupo Itapemirim, foram pegos de surpresa nas últimas horas com o cancelamento dos voos da companhia aérea. O anúncio repentino, feito na noite de sexta-feira, 17, fez com que muitos passageiros ainda fossem para os aeroportos neste sábado, 18.

O aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, teve imagens de tumultos e protestos, com passageiros que não conseguiram embarcar revoltados com a situação.

Muitos passageiros que já estavam no local pela manhã ficaram sem atendimento por horas, segundo informou o jornal O Estado de S.Paulo.

Nas redes sociais, surgiram relatos de passageiros que estavam prontos para embarcar hoje ou nos próximos dias, e que ficaram sabendo do cancelamento pelas notícias na internet.

A ITA tinha pouco mais de 500 voos programados entre a noite de sexta-feira e o último dia do ano, em 31 de dezembro, de acordo com os registros da Anac. Os principais destinos eram Rio de Janeiro, Brasília, Recife e Salvador.

A licença da ITA para operar voos também foi suspensa na noite de sexta-feira, após a companhia anunciar a paralisação. Sem a autorização, a ITA não pode mais voar. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou em nota que a decisão se deveu a medida de segurança.

“A segurança das operações aéreas é prioridade da Agência. Devido à paralisação das operações da empresa, a Anac suspendeu o seu Certificado de Operador Aéreo (COA)”, diz a nota da agência.

Direitos dos passageiros

A Anac também declarou que a ITA deve prestar assistência "imediata" aos passageiros, e deve procurá-los para informar sobre o cancelamento.

A ITA afirmou que os passageiros com viagens programadas para os próximos dias devem entrar em contato pelo e-mail falecomaita@voeita.com.br. 

A companhia havia iniciado as operações somente em junho deste ano. O próprio lançamento foi cercado de dúvidas, uma vez que a controladora Itapemirim está em recuperação judicial. Atrasos em pagamentos dos tripulantes também foram parar na Justiça do Trabalho.

Quando começou a operação comercial, a companhia prometia ter 35 destinos e 50 aeronaves. O objetivo era ter 40% do mercado, segundo Sidnei Piva, presidente do conglomerado, que afirmou em entrevista que os recursos para lançar a companhia aérea vinham de fundos árabes, mas sem divulgar seus nomes.

Em nota, o Grupo Itapemirim afirmou que a decisão de paralisar as atividades foi tomada por "iniciativa própria" e foi feita para realização de uma "reestruturação interna".

(Com Estadão Conteúdo)

Assina a EXAME e tenha acesso ilimitado às principais notícias do mundo dos negócios. 

Acompanhe tudo sobre:Aeroporto de GuarulhosAnaccompanhias-aereas

Mais de Negócios

Os engenheiros da saúde: como essa startup quer evitar perdas financeiras nos hospitais

IBM aposta em padrões abertos para incentivar o uso em escala da IA

Como a Renova Invest se mantém entre as melhores assessorias há 5 anos

Para além da Heineken na hora do aperto: o Rappi Turbo quer virar o seu próximo mercadinho de bairro

Mais na Exame