Negócios

Oprah Winfrey agora é empresária – e perdeu poder por isso

Após investir no próprio canal de TV, apresentadora caiu dez posições na lista das mulheres de negócios mais poderosas do mundo, segundo a Fortune

Oprah: de 6º a 16º na lista das mulheres mais poderosas do mundo (Getty Images)

Oprah: de 6º a 16º na lista das mulheres mais poderosas do mundo (Getty Images)

Daniela Barbosa

Daniela Barbosa

Publicado em 3 de outubro de 2011 às 18h24.

São Paulo – Até o ano passado, Oprah Winfrey ocupava uma posição de destaque no ranking das mulheres mais poderosas do mundo dos negócios e sempre estava  entre as dez mais influentes, segundo lista elaborada pela Fortune.

A estratégia da apresentadora, no entanto, de ter o próprio canal de TV, abandonando de vez seu programa de entrevista exibido em uma das maiores emissoras americanas, fez com que Oprah caísse dez posições no ranking da Fortune.  Neste ano, ela é a 16º mulher entre as 50 mais poderosas do mundo.

Não que a posição seja desprezível, mas a verdade é que Oprah não viu o quanto sua influência dependia da emissora para a qual trabalhava. Tanto que o motivo da queda , segundo a imprensa americana, é um só: Oprah perdeu seu poder de influência ao deixar a rede ABC e investir no próprio negócio.

Mal na tela

Há rumores de que, apesar do investimento milionário e da parceria feita com a rede Discovery Communications, os negócios de Oprah não estão saindo como o planejado.

O próprio presidente do Discovery Communications, David Zaslav, chegou a afirmar ao Wall Street Journal que a parceria feita com a apresentadora gerou resultados abaixo das expectativas, o que levou a companhia a repensar os investimentos futuros previstos para a emissora.  

Oprah, por sua vez, segue confiante que seu canal, batizado de OWN (um trocadilho com as iniciais do nome da apresentadora e com a palavra “próprio” em inglês) ainda deslanche. O objetivo da apresentadora-empresária é chegar a 160 milhões de lares.   Até o momento, o pico máximo de espectadores não passou da marca de 151.000 pessoas.

Se Oprah realmente conseguir a proeza, talvez em 2012, ela não só volte a figurar entre as dez mulheres mais poderosas do mundo dos negócios, como pode ser apontada para o primeiro lugar no pódio.
 

Acompanhe tudo sobre:CelebridadesEficiênciaEstratégiagestao-de-negociosInvestimentos de empresasMetasOprah Winfrey

Mais de Negócios

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Mais na Exame