Acompanhe:
seloNegócios

Desinchá atrai R$ 45 milhões da Moriah Asset para fortalecer estrutura e mirar nos Estados Unidos

O acordo com a Moriah Asset começa com um aporte de R$ 5 milhões, valor que será ampliado a partir das novas demandas da Desinchá

Modo escuro

Continua após a publicidade
Daniel Lana, Eduardo Vanzak e Lohran Schmidt, da Desinchá: queremos chegar a R$ 500 milhões em faturamento em cinco anos (Desinchá/Divulgação)

Daniel Lana, Eduardo Vanzak e Lohran Schmidt, da Desinchá: queremos chegar a R$ 500 milhões em faturamento em cinco anos (Desinchá/Divulgação)

A marca Desinchá tem um novo acionista na operação, a Moriah Asset, um veículo de investimento brasileiro com foco em mercados de saúde e bem-estar. A casa vai colocar um total de R$ 45 milhões na marca de chás, no mercado desde 2015 e fundada pelos administradores Eduardo Vanzak e Lohran Schmidt, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Criada em 2019 pelo advogado e empresário Fabiano Zettel, a gestora já investiu nas empresas Les Cinq, Smoov, Naturanic, FOONE e no Grupo Frutaria São Paulo. O acordo começa com um aporte de R$ 5 milhões, valor que será ampliado de acordo com as novas demandas da empresa.

Ao final, Moriah terá uma participação de 40% do negócio. Além dos recursos financeiros, a Moriah deve agregar capital intelectual e conectar a Desinchá com outros negócios apoiados pela gestora.

Essa é a primeira movimentação de captação da empresa, criada com R$ 30.000 e mantida até agora com a venda de produtos.

Qual é a nova abordagem da companhia

Os novos recursos serão usados para fortalecer a estrutura de capital em um novo momento da companhia, com a criação do grupo Super Brands, desenvolvido nos últimos dois anos. No novo modelo, a Desinchá se torna apenas uma marca dentro de uma plataforma composta ainda pela Super Nutrition, uma empresa de suplementos e alimentos funcionais. 

“Nós criamos a Super Nutrition justamente para poder desenvolver novas categorias de produtos e estar presente no dia a dia das pessoas, do início ao fim do dia”, afirma Lohran Schmidt, co-ceo da empresa. A marca reúne de cafés funcionais, gummies de melatonina a cápsulas com colágenos. Em breve, entram whey protein e outros produtos fitness, um mercado em expansão acelerada pelo país.

Os recursos também serão empregados para hidratar a presença da marca em bebidas líquidas, portfólio em que a empresa tem apenas um produto atualmente, o Desinchá Supermate. "Esse é um projeto muito grande e com muito mais capital intensivo do que a linha de chá secos", afirma Daniel Lana, sócio Chief Strategy Officer (CSO).

A divisão de negócios vai ganhar uma fábrica própria, prevista para o segundo semestre deste ano, com 3.000 metros quadrados e capacidade para produzir 1 milhão de latas por mês. 

Com a adoção crescente de hábitos saudáveis pela população, a expectativa da companhia é de que as pessoas irão migrar para bebidas menos açucaradas e funcionais. A inspiração para a entrada no setor é a americana Celsius, marca que recebeu US$ 550 milhões em investimentos da gigante de alimentos Pepsico, em 2022.

Quais os novos passos na operação nos Estados Unidos

A unidade, tem que apenas um produto e representa menos de 5% das vendas, vai ganhar dois sabores adicionais neste ano. “Nós tivemos que abrir, praticamente, um novo canal de distribuição. Aprendemos e esse será o ano que, de fato, vamos ampliar e trazer variação para a linha”, afirma Eduardo Vanzak. 

A combinção de ações mira um faturamento de R$ 500 milhões no período de cinco anos. Em 2023, o grupo registrou em torno de R$ 84 milhões. Os novos cálculos, que antecipam um resultado inicialmente pensado para 2032, contam com um contribuição maior vindo do exterior, principalmente dos Estados Unidos.

O país da América do Norte marcou o primeiro passo no processo de internacionalização da Desinchá, ainda antes da pandemia. Hoje, representa entre 5 e 7%, mas a projeção é de que possa chegar a 30% no intervalo de 3 anos. 

A Europa, uma aposta mais recente, contribui para 8% do negócio. A diferença no tamanho da participação, segundo os sócios, veio do modelo escolhido. Nos Estados Unidos, eles foram apenas para o online e com operação própria. 

Em Portugal, o país de entrada no velho mundo, optaram por um modelo de distribuição por diversos canais do varejo e a partir de parceiros locais. “Hoje, quando olhamos para outros países, vamos  adotar o mesmo modelo”, afirma Vanzak. 

Para mudar a trajetória e acelerar o ritmo nos Estados Unidos, o executivo se mudou para o país no fim de 2022 e coordena a operação local a partir de Miami. A atuação, até agora restrita ao portfólio de chás, será ampliada para outras categorias, como os cafés funcionais, e em 2025 deve contar com todos os produtos encontrados em solo brasileiro.

Em paralelo, a empresa avança nos canais de distribuição, conversando com redes de varejo e outras opções para a comercialização. A projeção é de fechar o triênio com US$ 20 milhões, um ajuda e tanto - sob a perspectiva da variação cambial - para os R$ 500 milhões projetados.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual
Brasil

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual

Há uma semana

Dengue: Belo Horizonte decreta emergência; Brasil tem 94 mortes confirmadas
Brasil

Dengue: Belo Horizonte decreta emergência; Brasil tem 94 mortes confirmadas

Há uma semana

Carro desgovernado invade desfile de carnaval e deixa 30 feridos em MG
Brasil

Carro desgovernado invade desfile de carnaval e deixa 30 feridos em MG

Há 3 semanas

Pela primeira vez em Minas Gerais, Lula se reúne com Zema para renegociação da dívida do estado
Brasil

Pela primeira vez em Minas Gerais, Lula se reúne com Zema para renegociação da dívida do estado

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais