Negócios

Nova Pontocom fecha 2010 com faturamento de R$ 2,7 bilhões

Resultado confirma a companhia como a 2ª maior do setor, atrás da B2W

Abílio Diniz, do Grupo Pão de Açúcar: participação da Nova pontocom no mercado foi a 20% (VEJA)

Abílio Diniz, do Grupo Pão de Açúcar: participação da Nova pontocom no mercado foi a 20% (VEJA)

DR

Da Redação

Publicado em 30 de março de 2011 às 20h10.

São Paulo - A Nova Pontocom, empresa de comércio eletrônico do grupo Pão de Açúcar, que reúne as operações online de Extra, Ponto Frio e Casas Bahia, fechou 2010 com faturamento de 2,7 bilhões de reais, um crescimento de 56% em relação ao ano anterior. O resultado confirma a companhia, criada em 2009, como a segunda maior do setor, atrás apenas da B2W - controladora dos sites Americanas.com, Submarino e Shoptime -, que teve faturamento de 4,5 bilhões de reais no ano passado.

A distância entre as duas companhias ainda é grande, mas a diferença diminuiu significativamente no último ano. Enquanto a participação de mercado da Nova Pontocom passou de 16% em 2009 para 18% em 2010, a da B2W despencou de 40% para 30,5%.

Parte do avanço da Nova Pontocom é explicado pela entrada das Casas Bahia na operação, anunciada em dezembro de 2009. Mas, segundo a empresa, o fim do processo de integração entre as companhias também ajudou nos resultados. Em abril, as plataformas dos sites de Extra e Ponto Frio foram unificadas. E, em novembro, foi concluída a integração da operação online das Casas Bahias ao grupo. Com isso, houve um crescimento de 51% nas visitas aos sites e de 16% na conversão de visitas em vendas.

Acompanhe tudo sobre:Comércioe-commerceEmpresasEmpresas abertasEmpresas de internetEmpresas francesasGlobexLucroNova PontocomPão de AçúcarSupermercadosVarejo

Mais de Negócios

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Mais na Exame