Acompanhe:
seloNegócios

Na nativa digital BAW, jornada rumo ao offline define futuro da marca

Nos planos da BAW Clothing, marca de moda urbana do grupo Arezzo&Co, está a abertura de pelo menos oito lojas nos próximos meses; primeiras inaugurações acontecem neste mês de novembro

Modo escuro

Continua após a publicidade
Lucas e Burno Karra, fundadores da BAW: marca quer pelo menos seis novas lojas em 2023 (BAW Clothing/Divulgação)

Lucas e Burno Karra, fundadores da BAW: marca quer pelo menos seis novas lojas em 2023 (BAW Clothing/Divulgação)

M
Maria Clara Dias

Publicado em 3 de novembro de 2022 às, 18h03.

Última atualização em 3 de novembro de 2022 às, 18h25.

A BAW Clothing tem provado há anos a tese de que é possível viver do digital. Nativa no ambiente online, a marca de streetwear (termo para roupas urbanas, por assim dizer), tem ganhado espaço com site próprio e presença ativa nas redes sociais. Apenas no Instagram, a BAW tem mais de 1 milhão de seguidores.

O bom desempenho é resultado de uma curadoria apurada de conteúdo que começa pela seleção criteriosa de influenciadores a estamparem a logotipo da marca. Na lista de celebridades que divulgam massivamente as peças da BAW na internet estão atrizes, cantoras e personalidades com alguma influência como Bruna Marquezine, Linn da Quebrada e Isabella Scherer, vencedora do programa culinário MasterChef Brasil.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Agora é hora de testar a fórmula fora da internet. A marca inaugura neste mês duas novas lojas físicas em São Paulo e no Rio de Janeiro, como uma tentativa de ganhar também o varejo offline. Os lugares escolhidos foram o Morumbi Shopping e Barra Shopping, respectivamente.

A marca, que já tem duas lojas na capital paulista, vê o movimento como uma herança dos novos tempos pós-compra — a BAW foi adquirida em 2021 pelo grupo Arezzo&Co por R$ 105 milhões.

A chegada a shopping centers também é uma novidade para a BAW, mas um esforço necessário ao integrar um grupo hoje detentor de e que mira de maneira ambiciosa nos segmentos de lifestyle e streetwear.

Atualmente, o varejo físico representa cerca de 10% nas receitas totais da BAW. Com a expansão dos próximos meses, a intenção é triplicar essa participação. Até 2024, a marca quer também chegar a mil pontos de venda em lojas multimarcas.

"É uma questão natural para nós. Queremos traduzir o novo momento do varejo que exige por mais experiências físicas e conexão com os consumidores", diz Bruno Karra, CEO da BAW.

História da BAW

Fundada em 2014 pelos irmãos Bruno e Lucas Karra, a BAW começou como um tímido e-commerce de camisetas. No portfólio estavam apenas peças pretas e brancas (daí o nome BAW — de black and white), que atendiam a diferentes gêneros. Com o tempo, a marca expandiu suas estampas, cores e passou a dedicar-se ao público da geração Z, com novos produtos como camisas, moletons e calças.

Em 2021, a BAW Clothing foi adquirida pelo grupo Arezzo&Co por R$ 105 milhões.

Desde então, a marca manteve certa independência, tanto nos processos criativos quando na própria identidade da marca. "Somos bem autônomos, mas com a diferença de termos agora uma máquina gigante por trás que nos impulsiona a crescer sempre mais", diz. "É a estrutura que precisávamos para manter o ritmo. Não tínhamos a governança e agora, com a Arezzo, temos".

Segundo Karra, a BAW cresceu 46% entre 2021 e 2022.

Planos para 2023

Para o próximo ano, a intenção é mais que dobrar a aposta no varejo físico. Nos planos da BAW estão pelo menos seis inaugurações de lojas próprias, e um trabalho reforçado no universo das multimarcas. Atualmente, a BAW ocupa gôndolas de algumas lojas multimarcas ligadas ao universo streetwear e de moda urbana.

A proposta é conseguir manter o equilíbrio entre o desejo de rápida expansão e o cuidado para escolher as lojas que traduzam a essência da marca, explica Karra. "Nosso posicionamento será mantido, assim como o nosso DNA", diz. "Esperamos um aumento de 50% nas vendas e uma expertise muito maior no varejo físico", diz.

LEIA TAMBÉM

Como o Grupo Boticário conseguiu, em 3 anos, dobrar a receita da Beleza na Web para R$ 1 bilhão

Eles sofreram preconceito ao criar uma cerveja ligada ao skate. Hoje, faturam R$ 60 milhões

Últimas Notícias

Ver mais
Conheça o designer do MT que empreendeu com R$ 7 mil, ganhou o mundo e vendeu bolsa até para a Oprah
seloNegócios

Conheça o designer do MT que empreendeu com R$ 7 mil, ganhou o mundo e vendeu bolsa até para a Oprah

Há 18 horas

Com vendas em alta, Zegna lança livro sobre seu “oásis de sustentabilidade”
Casual

Com vendas em alta, Zegna lança livro sobre seu “oásis de sustentabilidade”

Há 21 horas

Vendas no varejo nos EUA sobem 0,7% em março ante fevereiro
Economia

Vendas no varejo nos EUA sobem 0,7% em março ante fevereiro

Há 22 horas

Como o Adidas Samba virou o tênis do momento após 70 anos
Casual

Como o Adidas Samba virou o tênis do momento após 70 anos

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais