Negócios

Submarino se associa a financeira para oferecer crediário próprio

Sociedade entre as duas empresas terá participação de 50% de cada uma. A expectativa é distribuir os primeiros cartões fidelidade até setembro deste ano

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de maio de 2011 às 17h46.

Em breve, o site de compras Submarino vai passar a financiar diretamente os clientes do seu site de compras. A empresa anunciou nesta quinta-feira (16/2) um acordo com a Cetelem Brasil, subsidiária da Cetelem - uma financeira francesa que atua em 23 países. As duas companhias irão trabalhar em sociedade, sendo cada uma responsável por 50% do capital da nova empresa.

O objetivo da parceria, segundo informou o Submarino, é oferecer aos consumidores compras a prazo com taxas "competitivas", além de benefícios como promoções e recompensas por fidelidade. Com isso, a empresa espera aumentar as vendas, sobretudo dos produtos mais caros. A expectativa é que, à medida que os clientes forem utilizando o cartão Submarino, a empresa economize com taxas de administração de cartões de crédito.

Os novos cartões devem ser lançados até setembro, e o objetivo é emitir um milhão de unidades nos próximos cinco anos. Antes disso, porém, o negócio precisa ser aprovado por órgãos de regulamentação.

A Cetelem é uma subsidiária do BNP Paribas, o segundo maior grupo bancário por capitalização de mercado na zona do Euro. No Brasil, a Cetelem opera desde 1999 por meio de sua parceria com o Carrefour. Em troca dos 50% da nova companhia, a Cetelem Brasil terá de pagar um valor fixo ao Submarino, que também terá direito a participação nos resultados da operação de crédito. A sociedade terá um prazo de 20 anos.

Acompanhe tudo sobre:B2WBNP ParibasComércioCréditoe-commerceEmpresasEmpresas francesaslojas-onlineSubmarino (loja)Varejo

Mais de Negócios

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Mais na Exame