Movida pode se beneficiar da alta do dólar, mas coronavírus ameaça

Locadora de veículos espera lucrar mais com aumento do turismo doméstico, mas epidemia pode minar planos
Movida: a empresa aumentou em 18% sua frota de veículos e terminou o ano com 109.661 carros (Divulgação/Divulgação)
Movida: a empresa aumentou em 18% sua frota de veículos e terminou o ano com 109.661 carros (Divulgação/Divulgação)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 10/03/2020 às 20:26.

Última atualização em 11/03/2020 às 10:50.

São Paulo - Com histórico de crescimento em meio a crises financeiras, a Movida se prepara para mais uma temporada de instabilidade econômica. No entanto, a alta do dólar, que já supera os 4,60 reais, não preocupa a companhia — pelo contrário.

De acordo com Edmar Lopes, CFO da Movida, a empresa pode ser beneficiada pelo câmbio depreciado. “Em vez de o brasileiro viajar para o exterior, ele faz viagens domésticas (onde estamos presentes). Além disso, [o real desvalorizado] deve atrair mais turistas estrangeiros para cá”, disse.

A expectativa, se confirmada, deve impulsionar ainda mais o lucro da Movida, que, em 2019 foi de 228 milhões de reais – 43% acima do registrado em 2018. No último trimestre do ano passado, a taxa de ocupação de aluguel de carros foi recorde, com apenas 21,1% da frota vaga. Segundo a empresa, o resultado foi impulsionado pelos efeitos da “alta temporada”, quando o fluxo de viagens aumenta. Em termos anualizados, a receita com aluguel de veículos cresceu 21% em 2019.

No entanto, o surto de coronavírus, que segue aumentando no Brasil e no mundo, pode frustrar a expectativa de que o turismo aumente. Além disso, a epidemia na China tem impactos no fornecimento de peças industriais, o que pode elevar os preços dos automóveis. Mas Lopes acredita que a inda seja “cedo” para afirmar que a Movida vai ser afetada.

“Parece que a cadeia de fornecimento vai se recompor rapidamente. A gente tem que aguardar para ver como isso vai evoluir. Até agora a gente recebeu todos os carros normalmente”, afirmou.

Em 2019, a empresa aumentou em 18% sua frota de veículos e terminou o ano com 109.661 carros. Com a expansão do número de veículos, a companhia conseguiu também aumentar a receita com venda de seminovos em 63%, passando para 2,214 bilhões de reais no ano. De acordo com Lopes, a empresa deve seguir aumentando a quantidade de carros comprados e revendidos como forma de renovar a frota.