Negócios

Mirando R$ 70 milhões, empresa brasileira que coloca RHs na internet é vendida para grupo francês

Compradora francesa já atingiu R$ 1,1 bilhão de faturamento e quer entrar com mais força na América Latina

Equipe da Intelligenza e da HR Path: sócios já assinaram o contrato para aquisição (Intteligenza/Divulgação)

Equipe da Intelligenza e da HR Path: sócios já assinaram o contrato para aquisição (Intteligenza/Divulgação)

Daniel Giussani
Daniel Giussani

Repórter de Negócios

Publicado em 9 de abril de 2024 às 08h00.

Última atualização em 9 de abril de 2024 às 11h32.

Recursos humanos estão no embrião de uma empresa e requerem uma operação complexa, que envolve gestão de ponto, do dia a dia do funcionário, da folha de pagamento, das férias e benefícios, por exemplo.

Se hoje é comum ter acesso a esses serviços por portais internos pela internet, até alguns anos atrás, tudo isso acontecia manualmente. 

E nesse processo de digitalização, a paulistana Intelligenza tem uma mãozinha. O negócio atua desde 2008 ajudando na transformação digital do setor. A empresa escuta o que os RHs precisam e estabelece os processos digitais para essas necessidades.

Agora, após 16 anos, a empresa dá um novo passo. Ela acaba de ser adquirida pela francesa HR Path, um conglomerado de serviços para recursos humanos com mais de 2.000 funcionários e 215 milhões de euros em faturamento no ano passado -- cerca de 1,1 bilhão de reais.

“O grupo francês está em ampla expansão, crescimento por aquisições”, diz Rafael Favaro, sócio da Intelligenza. “A nossa empresa é a maior aquisição deles. Na estratégia, querem entrar de vez no Brasil e na América Latina, e isso se dará por nossa empresa”. 

O valor da negociação não foi informado. A Intelligenza faturou 52 milhões de reais no ano passado. A empresa nasceu da união de sócios que já trabalhavam com consultoria SAP, eram colegas e decidiram montar um negócio juntos no setor. 

Quais são os planos das empresas com as aquisições

A francesa HR Path tem um plano já bem definido para a aquisição. A empresa quer ter força em dois mercados potenciais: o Brasil e a América Latina como um todo. 

A movimentação faz sentido. A demanda por soluções inovadoras em recursos humanos fez com que as HRTechs (startups de recursos humanos) recebessem um total de US$ 1,9 bilhão em investimentos desde 2000, de acordo com o "HRTech Report 2023" do Distrito.

O relatório mostra um aumento progressivo ano a ano das HRTechs ⏤ que já somam 518 startups no Brasil. Considerando o período do estudo, entre 2000 e 2022, há um destaque para 2018, ano em que mais HRTechs foram fundadas no país, com um total de 74 startups surgindo nesse período.

“A adição da Intelligenza ao nosso grupo fortalece nossa posição como fornecedor de soluções SAP de primeira linha”, afirma Fraçois Boulet, presidente global da HR Path. “Juntos, alcançamos a liderança da inovação e a entrega de valor aos nossos clientes enquanto eles navegam em sua jornada de transformação digital”. 

Para a Intelligenza, o plano é manter uma toada de crescimento que irá garantir 55 milhões de reais em faturamento neste ano e 70 milhões de reais em receitas até 2026. 

“A mensagem geral é que a Intelligenza ganha mais musculatura com esse movimento”, diz Favaro. “Os sócios permanecem os mesmos. Estamos dentro do negócio. Não é um processo de aquisição com sobreposição. É um grupo que veio de muitas aquisições e que dará total autonomia para atingirmos este resultado, por isso fomos escolhidos”.

“Com acesso à presença mundial da HR Path, podemos agora oferecer uma gama ampliada de serviços para clientes atuais e potenciais”, complementa Flávio Legieri Filho, Sócio e CEO da empresa comprada.

A Intelligenza continuará se chamando assim pelos próximos dois anos. Depois, passará por uma transformação para ser HR Path Brasil. 

Acompanhe tudo sobre:Recursos humanos (RH)

Mais de Negócios

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Conheça a CEO que nunca descansa, nem cobra salário – isso porque ela é uma inteligência artificial

Polishop pede recuperação judicial com dívida de R$ 352 milhões

Na startup Carefy, o lucro veio quando a empresa resolveu focar na operação — e não na captação

Mais na Exame