Acompanhe:
seloNegócios

Minas Rio é símbolo do que deu errado para Anglo American

Mesmo para uma empresa que chegou a ter o monopólio global da produção de diamantes, o colapso dos preços das commodities está sendo duro demais

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Anglo American: a empresa vai encolher até ficar irreconhecível
 (Nadine Hutton/Bloomberg)

Anglo American: a empresa vai encolher até ficar irreconhecível (Nadine Hutton/Bloomberg)

T
Thomas Biesheuvel

Publicado em 9 de dezembro de 2015 às, 19h48.

Mesmo para uma empresa que chegou a ter o monopólio global da produção de diamantes durante quase um século de expansão praticamente constante, o colapso dos preços das commodities está sendo duro demais.

A Anglo American, um conglomerado que abrange os setores de cerveja, publicações e exploração de ouro e que viveu seu auge no início dos anos 1990, vai encolher até ficar irreconhecível depois que o CEO Mark Cutifani anunciou na terça-feira um pacote de vendas de ativos, fechamentos de minas e cortes de postos de trabalho.

Entre as possíveis vítimas está a Minas Rio, uma mina brasileira de minério de ferro que, com custos crescentes e o colapso dos preços, transformaram um projeto de US$ 14 bilhões no símbolo da situação da empresa.

“A Minas Rio é a maior marca dos equívocos deles”, disse Jeremy Wrathall, chefe de recursos naturais globais da Investec. “Houve uma série de erros estratégicos, a loucura coletiva do superciclo que todos entenderam errado”.

Assim como os bancos antes da crise financeira ou as empresas do setor de energia antes do colapso dos preços do petróleo, a Anglo American é a clássica história dos exageros cometidos durante os bons momentos que resultam em uma situação de excesso de dívida e pouco dinheiro quando o mercado despenca.

85.000 empregos

Eventualmente, a Anglo American empregará 50.000 pessoas, 85.000 a menos que agora, disse Cutifani. A empresa vai controlar um máximo de 25 ativos, menos que os 55 de hoje. Todas as minas deficitárias serão colocadas à venda ou simplesmente fechadas.

Contudo, bancos como o HSBC disseram que até mesmo esses cortes drásticos podem não ser suficientes se os preços das commodities continuarem fracos. As ações da Anglo caíram 14 por cento na quarta-feira para uma mínima recorde em Londres. Os papéis caíram 73 por cento em Londres neste ano superando a Glencore como o de pior desempenho do índice FTSE 100.

O anúncio surge depois de a Lonmin, outra empresa de mineração com sede no Reino Unido focada na África, ter sido forçada no mês passado a recorrer aos acionistas para evitar um colapso. Seu leque de negócios englobava exploração de ouro, hotéis, têxteis e jornais nos anos 1980.

Os ativos da Anglo American “precisam fazer dinheiro ao longo do ciclo”, disse Cutifani, 57, australiano que ocupa o cargo mais elevado da empresa desde 2013, a investidores na terça-feira. “Do contrário, eles não estarão no portfólio. Simples assim”.

No auge financeiro da empresa, em 2007, quando os preços da platina e do níquel ficaram próximos de níveis recorde, o lucro anual foi de US$ 7,3 bilhões e o valor de mercado da companhia superava US$ 80 bilhões. Os analistas projetaram que a Anglo American perderá US$ 2,8 bilhões neste ano; Cutifani disse a acionistas que não haverá dividendos até 2017, pelo menos. A empresa atualmente tem um valor de mercado de US$ 6,3 bilhões e um total de US$ 11,9 bilhões em dívidas.

“Esse parece ser o primeiro sinal de rendição, talvez, no setor de mineração”, disse Paul Gait, analista da Sanford C. Bernstein em Londres, à Bloomberg TV. “A Anglo costumava ser esse grande e diversificado conglomerado sul-africano. Agora, está vendendo 60 por cento de seus ativos”.

Fundada em 1917 pelo empreendedor e filantropo Ernest Oppenheimer, a Anglo American foi construída com base nas gigantescas minas de ouro da África do Sul. Ao mudar para o ramo de diamantes com o controle da De Beers, depois que Oppenheimer foi eleito para o conselho, em 1926, e depois adicionar operações de platina e carvão, a Anglo se tornou rica e poderosa durante boa parte do século 20.

Sob o comando do filho de Ernest, Harry, a empresa ampliou seus horizontes. Comprou a Hudson Bay Mining no Canadá em 1961 e iniciou uma expansão para os setores de siderurgia, madeira e celulose e, posteriormente, de cobre na América do Sul.

Mais recentemente, a empresa buscou uma expansão para o setor de minério de ferro para se juntar às empresas que estavam alimentando a necessidade insaciável da China por aço.

A Minas Rio foi concebida pelo antecessor de Cutifani durante essa temporada altista. A compra do projeto custou US$ 5,1 bilhões e a construção, mais US$ 9 bilhões. O preço do minério de ferro, juntamente com os preços do carvão, do diamante, do ouro e da maior parte das extrações, então, despencou.

Últimas Notícias

Ver mais
Receita estende até 12 de abril prazo para empresas aderirem ao piloto do 'Confia'
seloMinhas Finanças

Receita estende até 12 de abril prazo para empresas aderirem ao piloto do 'Confia'

Há 10 horas

No pacote de remuneração da Oncoclínicas, uma revisão chama atenção
Exame IN

No pacote de remuneração da Oncoclínicas, uma revisão chama atenção

Há um dia

Petrobras: em meio ao risco de troca de CEO, ainda há espaço para upside
Exame IN

Petrobras: em meio ao risco de troca de CEO, ainda há espaço para upside

Há um dia

Cão mais valioso do mundo custa mais de R$ 600 mil
Pop

Cão mais valioso do mundo custa mais de R$ 600 mil

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais