Negócios

Lucro trimestral da Verizon cresce com reforma tributária nos EUA

Companhia afirmou que a reforma resultaria em uma redução extraordinária líquida de passivos fiscais diferidos de 16,8 bilhões de dólares

Verizon estimou que o impacto da reforma no lucro por ação no ano encerrado em 31 de dezembro seria de quase 4,10 dólares (Spencer Platt/Getty Images)

Verizon estimou que o impacto da reforma no lucro por ação no ano encerrado em 31 de dezembro seria de quase 4,10 dólares (Spencer Platt/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 23 de janeiro de 2018 às 11h15.

Nova York - A norte-americana Verizon Communications registrou um salto no lucro trimestral, ajudada pela reforma tributária e novas assinaturas mensais.

A operadora de telefonia móvel n° 1 dos EUA informou na semana passada que a mudança tributária, convertida em lei pelo presidente dos EUA, Donald Trump, no fim do ano passado, resultaria em uma redução extraordinária líquida de passivos fiscais diferidos de 16,8 bilhões de dólares.

A Verizon estimou que o impacto da mudança no lucro por ação no ano encerrado em 31 de dezembro seria de quase 4,10 dólares.

O lucro líquido atribuído à Verizon foi de 18,7 bilhões de dólares, ou 4,56 dólar por ação, no quarto trimestre encerrado em 31 de dezembro, ante resultado positivo de 4,5 bilhões de dólares, ou 1,10 dólar por ação, no mesmo período de 2016.

Excluindo itens extraordinários como a mudança tributária, o lucro foi de 0,86 dólar por ação.

A receita total subiu para 34 bilhões de dólares no último trimestre de 2017 ante 32,34 bilhões de dólares um ano antes.

De acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S, os analistas esperavam lucro ajustado por ação de 0,88 dólar e receita de33,26 bilhões de dólares.

A Verizon disse que adicionou 431 mil assinantes de telefonia que pagam conta mensal.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)ImpostosLucroVerizon

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame