Lucro da Localiza cai 53%, mas ação sobe 10,5%. Por quê?

Apesar da queda, os resultados vieram acima da expectativa do mercado e mostram que o pior para a locadora já passou

Para a Localiza, o pior da pandemia já passou. A locadora de automóveis e gestão de frota apresentou queda de 53% nos lucros, para 89,9 milhões de reais, e de quase 32% nas receitas no segundo trimestre, em relação ao mesmo período do ano anterior, para 1,57 bilhão de reais. O ebitda foi de 434,8 milhões de reais, queda de 13%. 

Mesmo assim, as ações estavam subindo 10,5% às 14h30, uma das maiores altas da bolsa. Apesar da queda, os resultados vieram acima da expectativa do mercado. A prévia realizada pelo BTG Pactual era de 1,37 bilhão de receita e ebitda de 314 milhões de reais. 

A locadora também afirmou que já superou o pior da crise causada pela pandemia do novo coronavírus. Hoje, das 529 agências de aluguel de carros da rede no Brasil, 393 estão abertas e das 125 lojas de seminovos, 124 estão operando. "Como voltaram a operar em julho nos níveis de 2019, o modelo de negócio se mostrou surpreendentemente resiliente", diz Bruno Lima, analista da Exame Research.

Em maio, a Localiza reverteu a tendência de queda nos volumes na divisão de aluguel de carros e no final de junho já havia retomado o nível do mesmo mês do ano passado. No caso de aluguel de carros, havia uma frota média de 108.307 carros alugados no trimestre, 8% a menos de no mesmo período do ano anterior. Em junho, no entanto, a frota era de 115.488, quase o mesmo nível do trimestre anterior. 

Vender mais que comprar

A empresa também buscou formas de se tornar mais eficiente, reduzir as despesas e gerar caixa. Diante da queda na demanda por aluguel de carros em boa parte do trimestre, a Localiza reduziu compra de veículos junto a montadoras e manteve a venda em suas concessionárias de seminovos. A estratégia reduziu a frota em 16.900 carros, produzindo uma geração de caixa de 655,5 milhões de reais.

Com isso, pretende também aumentar a taxa de ocupação desses veículos, que foi de 55,6% no trimestre e que historicamente é de cerca de 80% - em junho, essa taxa já foi de 60,7%, uma melhora. 

Alugar para quem não quer comprar

Um dos segmentos mais afetados foi o de aluguel para carros de aplicativo. No início da pandemia, a locadora deu descontos para que esses usuários conseguissem manter os carros. Esse segmento está aos poucos voltando ao normal, tanto no número de aluguéis quanto no preço. "Cerca de 50% da queda em volume no aluguel para motoristas de aplicativos já foi recuperado", diz Nora Lanari, diretora de relações com investidores, em teleconferência para investidores. 

Outro motor de crescimento para o segundo semestre pode ser o aluguel para pessoas físicas. Além do aluguel por dia, a locadora quer firmar contratos mais longos para pessoas físicas - de até alguns anos. Esse novo produto deve ser lançado no segundo semestre, de olho em pessoas que gostariam de usar um carro mas sem as burocracias de possuir um.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.