Negócios

Lucro da Johnson & Johnson sobe 73% no 2º trimestre, para US$ 6,27 bi

Com os bons resultados, a farmacêutica prevê a venda de 2,5 bilhões de dólares em vacinas contra a covid-19 até 2021

Johnson & Johnson: O faturamento total da empresa aumento 27,1%, para 23,312 bilhões de dólares (NurPhoto / Colaborador/Getty Images)

Johnson & Johnson: O faturamento total da empresa aumento 27,1%, para 23,312 bilhões de dólares (NurPhoto / Colaborador/Getty Images)

Drc

Da redação, com agências

Publicado em 21 de julho de 2021 às 20h37.

O grupo farmacêutico norte-americano Johnson & Johnson anunciou nesta quarta-feira, 21, que teve alta de 73,1% no seu lucro líquido durante o segundo trimestre de 2021, a 6,278 bilhões de dólares, na comparação anual. 

Alex Gorsky, diretor-presidente da farmacêutica, destacou o bom desempenho trimestral da empresa em todos os segmentos de atuação. O faturamento total da empresa, que inclui também a divisão farmacêutica (+ 17,2%) e a divisão de produtos de higiene pessoal e saúde como cremes (+ 13,3%), aumentou 27,1%, para 23,312 bilhões de dólares. O resultado veio acima do esperado por analistas.

No segundo trimestre, o grupo aproveitou as campanhas de vacinação nos Estados Unidos, o que permitiu a volta dos procedimentos clínicos não urgentes e a retomada das vendas de dispositivos médicos, como próteses, que cresceu 62,7%.

A empresa, que comercializa o imunizante a preço de custo, vendeu doses de sua vacina contra a covid-19 pelo valor total de 164 milhões de dólares no segundo trimestre, superando os 100 milhões no primeiro trimestre, detalhou o comunicado sobre seus resultados trimestrais.

Esses números são relativamente pequenos se comparados às vendas de vacinas contra o coronavírus das empresas Moderna ou Pfizer, esta última com planos em maio de faturar 26 bilhões de dólares em todo o mundo este ano.

Aprovada com urgência nos Estados Unidos em fevereiro, a vacina da J&J sofreu vários contratempos, incluindo uma suspensão de 10 dias em sua aplicação em abril, após relatos de que mulheres desenvolveram casos graves de coágulos sanguíneos, além de problemas de produção em uma fábrica em Baltimore.

Com os bons resultados, a farmacêutica prevê a venda de 2,5 bilhões de dólares em vacinas contra a covid-19 até 2021.

Com informações da AFP.

Acompanhe tudo sobre:BalançosJohnson & JohnsonLucrovacina contra coronavírusVacinas

Mais de Negócios

A inovação que mudou a indústria: como a Nespresso transformou o consumo de café com suas cápsulas?

Quem é a empresa do Paraná que fará casas 'tipo Lego' a preço de custo para as vítimas da enchente

Herdeira da L'Oréal, mulher mais rica do mundo atinge um novo recorde. Veja qual

Rival da Amazon nos Estados Unidos e da Shein na Ásia, Temu chega ao Brasil

Mais na Exame