Negócios

Lenovo compra parte da IBM na maior aquisição de TI da China

O negócio é avaliado em 2,3 bilhões de dólares


	Laptops da Lenovo: a aquisição irá permitir à Lenovo diversificar sua receita além do segmento em dificuldades de PCs 
 (Kim Kyung-Hoon/Reuters)

Laptops da Lenovo: a aquisição irá permitir à Lenovo diversificar sua receita além do segmento em dificuldades de PCs  (Kim Kyung-Hoon/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de janeiro de 2014 às 07h14.

Pequim - O grupo Lenovo, maior fabricante de PCs do mundo, fechou acordo para comprar a unidade de servidores da IBM em um negócio esperado há muito tempo e avaliado em 2,3 bilhões de dólares, a maior aquisição já feita por uma empresa de tecnologia chinesa.

A Lenovo irá pagar 2,07 bilhões de dólares em dinheiro e o restante em ações da fabricante de computadores com sede em Pequim, disse a empresa em um comunicado à bolsa de Hong Kong nesta quinta-feira.

O acordo ultrapassa a aquisição pela Baidu da 91 Wireless, anteriormente detida pela NetDragon Websoft, por 1,84 bilhão de dólares no ano passado, segundo dados da Thomson Reuters, e destaca o crescimento das empresas de tecnologia do país conforme elas avaliam a expansão internacional.

A aquisição irá permitir à Lenovo diversificar sua receita além do segmento em dificuldades de PCs e remodelar-se como uma força crescente em dispositivos móveis e servidores de armazenamento de dados.

A venda permite à IBM se livrar de seu negócio de margens baixas x86, que vende servidores menos poderosos e mais lentos do que as ofertas de maior margem da empresa, e focar na mudança para software e serviços mais rentáveis.

A aquisição pela Lenovo dos negócios ThinkPad PC da IBM em 2005 por 1,75 bilhão de dólares tornou-se o trampolim para a empresa chegar ao topo do ranking mundial de fabricantes de PCs.

O mercado aposta que a Lenovo terá um sucesso similar com a sua nova aquisição, o que é parcialmente refletido na valorização de 9,44 por cento nas suas ações neste ano.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaChinaEmpresasEmpresas americanasEmpresas chinesasempresas-de-tecnologiaIBMLenovoServiçosTecnologia da informação

Mais de Negócios

Os engenheiros da saúde: como essa startup quer evitar perdas financeiras nos hospitais

IBM aposta em padrões abertos para incentivar o uso em escala da IA

Como a Renova Invest se mantém entre as melhores assessorias há 5 anos

Para além da Heineken na hora do aperto: o Rappi Turbo quer virar o seu próximo mercadinho de bairro

Mais na Exame