Negócios

Air France-KLM diz que impacto de ataques em Paris continua

A Air France-KLM disse em 8 de dezembro que sofreu um impacto de 50 milhões de euros sobre sua receita em novembro


	Aviões da Air France: a Air France-KLM disse em 8 de dezembro que sofreu um impacto de 50 milhões de euros
 (Jacky Naegelen/Reuters)

Aviões da Air France: a Air France-KLM disse em 8 de dezembro que sofreu um impacto de 50 milhões de euros (Jacky Naegelen/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de dezembro de 2015 às 13h45.

Paris - A franco-holandesa Air France-KLM tem sentido os efeitos no tráfego aéreo decorrente dos ataques em Paris em 13 de novembro, mas é muito cedo para prever o impacto nas viagens na temporada de festas no fim de ano, disse seu presidente-executivo.

A Aeroports de Paris disse na segunda-feira que os tiroteios levaram a uma queda de 6 por cento no número de passageiros com passagem pelos aeroportos parisienses Charles de Gaulle e Orly na segunda metade de novembro.

"Está evoluindo dia após dia... as coisas ainda estão incertas e frágeis", disse o presidente-executivo da Air France-KLM, Alexandre de Juniac, nesta terça-feira, acrescentando que a companhia aérea sentiu o impacto "tanto em novembro quanto em dezembro".

A Air France-KLM disse em 8 de dezembro que sofreu um impacto de 50 milhões de euros sobre sua receita em novembro como resultado dos tiroteios, mas segue nos trilhos para atingir as metas de 2015.

Juniac disse que ao mesmo tempo segue adiante a expansão do braço de baixo custo da companhia na Europa, a Transavia.

Acompanhe tudo sobre:Air France-KLMAtaques terroristasAtentados em Pariscompanhias-aereasEmpresasEmpresas francesasTerrorismo

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame