Acompanhe:
seloNegócios

JBS anuncia aquisição e investimento de US$ 100 mi em carne cultivada

Companhia anunciou em fato relevante a aquisição da BioTech Foods, feita a partir da subsidiária JBS Global Luxembourg

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Chet Strange / Correspondente/Getty Images)

(Chet Strange / Correspondente/Getty Images)

K
Karina Souza

Publicado em 17 de novembro de 2021 às, 18h29.

Última atualização em 18 de novembro de 2021 às, 16h23.

A JBS anunciou, nesta quarta-feira, a aquisição da BioTech Foods, empresa espanhola especializada em proteína cultivada — ou seja, carne feita em laboratório, a partir de células animais.

A compra foi feita a partir da companhia controlada JBS Global Luxembourg e o valor pago pela companhia especializada nessa tecnologia foi de 100 milhões de dólares.

Desse total, 41 milhões de dólares serão dedicados à construção de uma nova fábrica na Espanha para dar escala à produção, como afirma a companhia em comunicado.

O restante será utilizado para a JBS implantar o primeiro centro de P&D voltado para o estudo de biotecnologia de alimentos e proteína cultivada no Brasil.

A ideia é que, no país, a JBS possa desenvolver novas técnicas que tragam ganho de escala e reduzam custos de produção da carne "de laboratório", antecipando a ida ao mercado.

A BioTech Foods foi fundada em 2017 e operava, até então, uma planta piloto na cidade de San Sebastián. A produção comercial deve chegar em meados de 2024.

"A tecnologia tem potencial não apenas para a produção de proteína bovina, mas também para a de frangos, suínose pescados. Pelos termos da operação, a JBS se tornará a acionista majoritária da BioTech Foods", diz a JBS em comunicado.

A transação está sujeita à aprovação do órgão de investimentos estrangeiros na Espanha.

Além de carne bovina, a tecnologia também poderá ser usada para imitar frangos, suínos e pescados.

Não é o primeiro passo de gigantes de alimentos nesse tipo de tecnologia. Em abril deste ano, a BRF anunciou um investimento em carne cultivada.

A produção da dona da Sadia e da Perdigão será feita em parceria com a startup israelense Aleph Farms, em que investiu cerca de 2,5 milhões de dólares na forma de venture capital para usar a tecnologia na produção.

A Nestlé também mira esse mercado, aliando demanda por alimento e sustentabilidade — assim como as demais companhias.

O potencial de ganhos é trilionário. Dados da consultoria Kearney mostram que pode chegar a 35% dio mercado de carne em 2040, somando 1,8 trilhão de dólares.

Últimas Notícias

Ver mais
Cingapura abre mercado para extrato de carne bovina do Brasil
EXAME Agro

Cingapura abre mercado para extrato de carne bovina do Brasil

Há 5 dias

Certificado digital para exportação de carne de frango para UE entra em vigor, diz MDIC
EXAME Agro

Certificado digital para exportação de carne de frango para UE entra em vigor, diz MDIC

Há 6 dias

França proíbe chamar produtos de origem vegetal de 'presunto' ou 'filé'
Mundo

França proíbe chamar produtos de origem vegetal de 'presunto' ou 'filé'

Há 6 dias

Agricultura quer ampliar exportações de carne para União Africana
EXAME Agro

Agricultura quer ampliar exportações de carne para União Africana

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais